Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
174 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58296 )
Cartas ( 21211)
Contos (12891)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13457)
Frases (45483)
Humor (18988)
Infantil (4215)
Infanto Juvenil (3309)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138804)
Redação (3008)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5292)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->O DIÁRIO DE ANA CARLA - VI -- 30/06/2005 - 20:46 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O DIÁRIO DE ANA CARLA - VI


Segue abaixo a continuação do DIÁRIO DE ANA CARLA. Para ler a parte anterior clique AQUI


Terça-feira, 6 de dezembro.

Depois do almoço.
Ah, meu diário! Liguei para ele hoje e ficamos de nos encontrar no nosso Anexo secreto lá pelas seis horas. Ainda bem que minha mãe vai na casa de minha avó. Falei que tinha que estudar para as provas na casa de uma colega e ela deixou eu ir. Assim vamos ter algum tempo para ficarmos juntos. Eu não agüento mais de saudades dele. Quero abraça-lo e beijá-lo até não poder mais. Quero que ele me sente no seu colo e me faça carícias. Quero que ele me enlouqueça.
Ontem eu passei o dia todo desconfiada de que alguém percebesse que eu havia perdido a virgindade, mas ninguém desconfiou de nada. Hoje já não estou mais tão desconfiada assim, mas ainda estou com um pouquinho de medo de que minha mãe perceba alguma coisa.
Às vezes, penso que agora estou um pouco diferente, mas acho que é só coisa da minha cabeça. Quando me levantei, fiquei diante do espelho examinando meu corpo para ver se tinha alguma coisa de diferente. cismei que minha bunda está maior e meus quadris estavam mais largos. Mas não tenho certeza se é só impressão ou se meu corpo sofreu alguma mudança. Perguntei a Marcela, minha amiga e colega de classe, se eles estavam diferentes, mas ela disse que não. Ela até perguntou o porquê. Fiquei um pouco vermelha e desconsertada com a pergunta, mas respondi que não era por nada.
Ah! Ontem eu não terminei de contar sobre a minha primeira vez. Vou aproveitar para continuar contando, antes que eu esqueça algum detalhe. Deixe só eu ver onde foi que parei.
Já sei. Foi quando ele estava acariciando minha xana com a língua.
Antes que eu gozasse, puxei ele para cima de mim. Estava tão excitada, tão louca para ter ele pela primeira vez que não me importei com o pau dele.
Que diferença fazia isso agora, se o pau dele era grande ou não? Do jeito que eu estava, não pararia por nada desse mundo. Enquanto não terminasse o que havíamos começado a fazer eu não o deixava.
Por isso, ele se arrastou por cima de mim, depois me abraçou e nos beijamos. Enquanto isso, senti seus quadris se ajeitar no meio de minhas pernas. Eu estava desejando tanto aquilo que afastei elas. Foi então que ele pegou o pau com uma das mãos e ajustou bem no meio da minha xana. Nesse momento fiquei com um pouco de medo. Quando senti a cabeça do pau dele pronta para entrar dentro de mim, quase pedi para ele parar. Não sei se era coisa da minha cabeça, mas parecia que o pau dele tinha uma cabeça enorme. Lembro que pensei: “Meu deus! Ele é muito grande e vai me machucar...”
Mas não foi bem isso que aconteceu. Ele me abraçou com mais força e foi empurrando o pau para dentro de mim. Percebi que ele não conseguia entrar. Foi quando quase entrei em pânico. Se o pau dele não queria entrar era porque era grande demais. E quando ele forçava um pouco demais, eu sentia um pouco de dor e fazia careta. Mas aí ele parava um pouco e a dor cessava. Depois ele empurrava mais um pouquinho e parava de novo.
Depois eu senti uma dor mais forte. Foi então que me dei conta de que não era mais virgem. No começo foi esquisito sentir o pau dele dentro de mim. Aquilo parecia me incomodar mais do que causar prazer. Mas, aos poucos, foi ficando cada vez mais gostoso.
Ele parou de me beijar e começou a chupar meus peitos enquanto seus quadris ia para frente e para trás. Senti que cada vez ele fazia isso com mais rapidez e com mais força. Eu estava cada vez mais excitada e achei que ia gozar dali a pouco. Só que não gozei não.
Ele parecia que havia se descontrolado totalmente. Era como se eu não tivesse ali. Ele começou a me abraçar com muita força e a meter em mim com violência. Aquilo começou a me machucar. Quando ele empurrava com toda a força a cabeça do pau dele entrava tanto que me provocava dor. Eu quase abri a boca para dizer isso a ele, mas não queria estragar aquele momento. Se ele não demorasse muito, eu poderia agüentar um pouco.
E ele não demorou mesmo! Logo em seguida ele enfiou com toda a força em mim, soltou um grito de prazer e ficou quieto. Parecia até que ele havia desmaiado. Ai eu percebi que ele havia gozado porque quando aquele negócio, o esperma, saiu, começou a arder um pouco mais.
Por alguns instantes ficamos ali na mesma posição. Não sei o que se passou pela cabeça dele. Só sei que ele deve ter sentido muito prazer. Pois ficou parado, como se não tivesse forças para mais nada. Eu sentia o suor escorrer do corpo dele, como se ele exausto de tanto correr. Agora eu não. Ainda estava excitada, mas não sabia o que fazer. Então preferia ficar do mesmo jeito: deitada embaixo dele, com ele dentro de mim. No momento, aquilo era tudo que eu poderia sonhar. Eu estava satisfeita por ter me entregado a ele, por ser dele agora. Nada mais parecia me importar. Eu só queria continuar ali, sentir ele em mim para sempre.
Ainda me lembro que, depois de algum tempo, eu disse bem baixinho no ouvido dele: “eu quero ser sua para sempre...”. Pois era isso mesmo que eu mais desejava.
Eu teria ficado o tempo que fosse necessário com ele em cima de mim. Nem o calor, nem o suor que escorria de nós dois me incomodava. Estava tão bom, tão delicioso. Eu mantinha os olhos fechados, pensando na felicidade daquele momento tão especial para mim. Mas eu senti que o pau dele estava ficando pequeno e parecia querer escorregar para fora. Acho que isso que fez com que ele se despertasse. Aí ele me deu um beijo nos lábios. Eu abri os olhos e olhou bem nos meus olhos.
Ah! Aquele olhar me fez ficar mais apaixonada ainda por ele. Que olhar mais lindo, mais cheio de ternura. Ele é o homem mais lindo que já conheci. E ele é só meu. Todinho meu.
Ele me perguntou de uma forma tão carinhosa, tão preocupada: “Eu te machuquei?”. Eu simplesmente fiz que não com a cabeça. Nem que ele tivesse me machucado eu não diria que sim. Jamais eu ia estragar aquele clima, aquele momento. Doeu sim um pouquinho, mas já tinha passado. E eu estava tão feliz que nem me lembrava mais da dor.
Por algum momento ele me acariciou com a mão e ficou alisando meus cabelos. Aquilo só fez como que eu me sentisse ainda mais feliz. Eu estava no paraíso. E nem mesmo o fato de ainda está excitada e não ter gozado era motivo para estragar minha felicidade. Se eu não tinha gozado dessa vez, não tinha problema. Ia ter outras oportunidades.
Pensei que ele ia se levantar, contudo não se levantou. Escorregou um pouquinho para o lado e continuamos abraçados. Então eu resolvi perguntar: “Você me ama?”. Eu precisava ouvir isso dele. Minha felicidade estava completa, mas ainda queria ouvir um sim da boca ele. Então ele respondeu: Claro que amo, minha florzinha”. Ele adora me chamar de sua florzinha. Agora sim, eu não precisava de mais nada. Ele não precisa mais me dar nenhuma prova de amor. Eu tinha toda a certeza de que ele me amava tanto quanto eu o amava. Tanto que respondi: “eu também te amo muito, muito!”.
Ele apoiou as mãos na cama e foi se levantando lentamente. Ainda mantinha os olhos grudados nele. Por isso percebi que o semblante dele mudou de repente. Agora ele parecia um pouco preocupado, como se algo o tivesse incomodando. Não tenho certeza, mas acho que ele ficou com medo de ter feito algo errado comigo. Isso chegou a me preocupar também.
Então ele sentou na cama e ficou olhando para o meio das minhas pernas. Acho que ele estava vendo se não tinha me machucado. Quando ele se levantou, eu pensei em me levantar também, mas aí eu senti uma coisa escorrer de dentro de mim. Não fazia a menor idéia do que era. Pensei que era sangue. Só depois que vi que era o esperma dele.
Depois que ele sentou na cama e olhou para minha xana, ele olhou para o pau dele. Não faço a menor idéia porque ele fez aquilo. Parecia que estava procurando alguma coisa. Na hora não tive coragem, mas vou perguntar a ele.
Não sei o que aconteceu com ele logo depois. De repente ele olhou para mim e seus olhos começaram a brilhar. Parecia que estava chorando. Só não fiquei preocupada e com medo porque ele deu um sorriso tão lindo. Então eu me dei conta de que ele estava chorando de felicidade.
Aí ele voltou a deitar do meu lado. Era como se ele quisesse permanecer ali junto de mim, como nossos corpos grudados para sempre.
Não sei quanto tempo ficamos deitados ali. Só sei que de repente comecei a ficar com fome. Aí eu disse para ele que queria comer alguma coisa. Ele perguntou se eu queria que ele preparasse algo para a gente comer e respondi que sim.
“Então vamos tomar um banho primeiro”, disse ele.
Nos levantamos e fomos para o banheiro.

Noite.
Tivemos nosso primeiro encontro depois que fizemos amor.
Foi diferente. Foi como se não existissem mais barreiras entre a gente. Parecia que a gente já se conhecia e convivia juntos a muito tempo. Até na hora de conversar, foi diferente. Agora podíamos falar de tudo, sem medo de tocar em determinados assuntos.
Ele me perguntou mais uma vez como eu estava e se estava tudo bem comigo. Respondi que sim. Aí ele perguntou se havia ficado um pouco dolorido a noite. Falei para ele que não. Disse que só fiquei com o corpo meio doído o dia todo, mas que lá estava tudo bem.
Adorei essa preocupação dele. Isso me fez ver o quanto ele me ama e se preocupa comigo. Ah, cada dia que passa eu fico mais apaixonada por ele. Não sei mais o que fazer para evitar que meus pais percebam o que está se passando comigo! Como eu queria ter alguém com quem conversar e falar o quanto estou feliz. Mas eu só tenho ele e você, meu diário! Por isso preciso te contar tudo, te dizer tudo que se passa comigo.
Naquele domingo, depois que fomos para o banho, ele ficou debaixo do chuveiro comigo. Enquanto eu me molhava, ele ficava me olhando. De repente olhei para o pau dele ele e ele estava crescendo. “Mas ele já está ficando grande de novo!”, falei. Era a primeira vez que olhava para o pau dele assim desse jeito, com tanta atenção. E fiquei encantada!
Quando eu olhei a primeira vez ele parecia tão pequeno e frágil. Queria pegar nele e ver melhor como ele era, mas fiquei com vergonha. Já tinha me entregado àquele homem, mas ainda havia algumas barreiras entre a gente. Então fiquei só olhando disfarçadamente aquela coisa pendurada que se balançava quando ele se movia. Mas agora, ver ele crescendo, tornando-se maior e mais grosso. Nossa! Como fiquei encantada com aquilo.
Ah! Como achei lindo quando aquele pau foi se levantando, e aquela cabeça grande e rosada foi saindo para fora! Quando ele já estava levantado e tinha parado de crescer, me deu uma vontade de pegar nele e sentir ele nas minhas mãos. Lembro que pensei: “Como ele conseguiu caber dentro de mim?... Por isso estava tão difícil dele entrar...”
Não lembro exatamente as palavras que ele me disse, quando eu falei que o pau dele estava ficando grande, mas foi algo do tipo: “É por causa que você está molhadinha”. Só sei que ele me abraçou e pôs o pau duro no meio de minhas pernas. Aí eu dei uma risadinha e exclamei: “Seu safado!” e empurrei ele para trás. Aí peguei o sabonete e comecei a me ensaboar.
Ma a visão daquele pau duro bem ali na minha frente me fez ficar com vontade de ter ele em mim novamente. Agora que tinha passado a tensão da primeira vez, agora que eu já sabia como era e me sentia bem mais a vontade, eu queria fazer de novo. Dessa forma, enquanto me ensaboava tive a idéia de ficar provocando ele. Eu queria ver se o pau dele ia ter alguma reação quando eu começasse provocá-lo. Então eu comecei a passar o sabonete peles meus peitos e por todo o meu corpo enquanto ficava rebolando. Depois que já estava toda coberta de espuma, abracei ele e fiquei me esfregando nele. E para instigar ele ainda mais, virei de costas e fiquei passando o bumbum nele.
Eu sabia que ele não ia agüentar. Os homens não podem ver um traseiro que ficam loucos. Foi só eu fazer isso que ele me agarrou, levou as mãos nos meus peitos e depois nos meio de minhas pernas. Mas antes que ele pudesse se empolgar demais e enfiasse o pau dele dentro de mim ali mesmo, naquela posição, eu levantei, virei o rosto para ele e nos beijamos. Ele porém não me soltou. Ele tentava apertar meu peitinho com uma das mãos e me acariciava a xana com a outra.
Isso deve ter deixado ele mais enlouquecido ainda, pois ele tentou se abaixar um pouco e por o pau dele no meio de minhas pernas. Não sei se foi a posição, por estar me segurando por trás, ou se foi porque ele só queria me provocar. Mas ele tentou enfiar o pau na minha xana e fazer amor comigo ali mesmo. Mas aí ele acabou desistindo e disse: “Não agüento mais, meu amor! Vamos para a cama?”. Então eu respondi: “Vamos”. Aí eu me enxagüei rapidinho para tirar a espuma que cobria meu corpo. Ele também se enxaguou e saímos correndo para o quarto.
Ah, meu querido diário! Foi a coisa mais incrível do mundo! Foi mais que um sonho, mais que tudo de bom e gostoso que pode existir no mundo. Eu não acredito que consegui gozar! Nossa, que sensação mais deliciosa! Eu até perdi as forças. Quase desmaiei. Foi uma loucura.
Quando voltamos ao quarto dele, eu estava louca para dar para ele novamente. Então deitei na cama e ele foi logo deitando em cima de mim. Aí eu abri as pernas e ele se ajeitou no meio delas. Depois ele pegou no pau dele e colocou no meio da minha xana e foi enfiando bem lentamente. Enquanto eu sentia o pau dele entrar dentro de mim, a gente se beijava loucamente.
Chegou a doer um pouquinho quando ele entrou todo dentro de mim, mas foi só um pouquinho que não deu para tirar o meu tesão.
E assim que senti o peso dele todo em cima de mim, que o pau dele estava todo dentro de mim, eu abracei ele com força. Aí ele ficou um pouquinho parado e depois começou a se mexer para baixo e para cima. Enquanto fazia isso, ele parou de me beijar e começou a chupar e a morder nos meus peitos. De repente ele gozou e ficou quieto.
Pensei que ele ia parar e eu não ia consegui gozar pela segunda vez. Eu estava morrendo de vontade de gozar. Na hora que percebi que ele gozou e ficou parado, eu quase disse para ele continuar, para ele não parar. Mas, mais uma vez fiquei com vergonha. Lembro-me que pensei: “Que merda! Ele já gozou de novo e eu ainda não consegui. Por que eles gozam tão rápido assim?”
Mas aí ele começou de novo. Até parece que ele adivinhou que eu queria continuar, que eu queria gozar. Nossa! Como eu fiquei feliz por ele ter continuado! Ele não imagina quanto esse gesto foi importante para mim. Era tudo que eu sonhava naquele momento.
Não sei se era porque o pau dele não estava tão duro como antes, ou se era porque eu estava tão excitada, só sei que eu só sentia uma vontade incrível de gozar. Eu só queria que ele continuasse fazendo aquilo cada vez mais rápido. Então agarrei ele pela cintura e comecei eu mesma a empurrar e puxar ele cada vez mais rápido. Ele deve ter percebido, pois me ajudou.
De repente alguma coisa aconteceu dentro de mim. Eu senti um desespero, como se alguma coisa tivesse se soltado dentro da minha cabeça. Nem sei como explicar. Perdi as forças e fiquei ali estirada embaixo dele, como se tivesse desmaiada.
Ficamos algum tempo ali. Depois ele me chamou para finalmente comer alguma coisa. Aí tomamos outro banho, nos vestimos e ele me levou para a casa.


PARA COMPREENDER MELHOR O DIÁRIO LEIA A HISTÓRIA DE ANA CARLA EM: A MENINA DO ÔNIBUS
PARA LER O INÍCIO DO DIÁRIO CLIQUE AQUI

LEIA TAMBÉM
ELA É UMA TENTAÇÃO
QUANDO A NOITE CHEGA
NAS NOITES FRIAS DE INVERNO
O DIÁRIO DE ANA CARLA - V
DESSE TEU PURO MEL VIRGINAL
O DIÁRIO DE ANA CARLA - IV
O DIÁRIO DE ANA CARLA - III
O DIÁRIO DE ANA CARLA - II
O DIÁRIO DE ANA CARLA - I
QUANDO A NOITE SE TORNAR FRIA
PENSAMENTOS IMPUROS
TEU CORPO
Ó VULVA INQUIETA!
QUANDO O PRAZER ENTRA EM CENA
O DEFLORAMENTO DA VÍRGEM
TEUS LÁBIOS NO MEU FALO
UMA NOITE DE AMOR
PENSAMENTOS ERÓTICOS (6)
A PRIMA QUE EU NÃO CONHECIA (final)
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui