Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
99 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59106 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9434)

Erótico (13481)

Frases (46493)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->TERRORISMO TUPINIQUIM -- 01/11/2006 - 19:31 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

TERRORISMO Á BRASILEIRA
(Por Domingos Oliveira Medeiros)

O terrorismo também existe no Brasil. Infiltrado na mídia, quando esta privilegia a notícia simplificada, sensacionalista e tendenciosa, com o objetivo de aumentar seus lucros. Na Região Nordeste, milhares de adultos e crianças são transformados, sem querer, em camicases do infortúnio. Morrem pelas causas alheias. Nos grandes centros, seres humanos concorrem com ratos e urubus, nos depósitos de lixo, à procura de alimentos, vítimas da indiferença social.

No plano federal, a guerrilha econômica, de grupos neoliberais radicais, tem contribuído para o aumento do desemprego, da concentração de rendas, e para o descaso com a saúde e a segurança da população, para dizer o mínimo. O terrorismo atingiu a própria Constituição. As torres gêmeas da democracia e da liberdade, há muito vêm sendo bombardeadas. O meio ambiente, o desapreço pela natureza, superpõe-se aos interesses menores. As grandes nações, que deveriam dar o exemplo inverso, insistem em burlar as leis, as normas internacionais, os acordos em benefício da paz, e passam a empreender estúpida estratégia da força bélica para invadir países, impor sua cultura , sua hegemonia política, religiosa e econômica, em desrespeito as diferenças dos povos.

Enquanto isso, no quintal de nossas casas, o chamado crime organizado avança em ousadia e em “eficiência”, o governo caminha na direção oposta: desrespeita a Carta Magna, quando não concede aumento anual e linear para os servidores públicos;quando não corrige, como devia, a Tabela do Imposto de Renda; quando não apura, com vigor, os escândalos que pipocam, de tempos em tempos, envolvendo parlamentares, empresários, servidores públicos de expressão e até juízes. Ninguém vai preso. E, aos poucos, as notícias vão diminuindo, até sumirem das páginas dos jornais, quando são substituídas por novos escândalos, com prazo de validade mais atualizado. E a sociedade, com a sensação da impunidade que grassa neste pais, vai, aos poucos, esquecendo de tudo, e comparecendo, teimosamente, de tempos em tempos, para votar e renovar todo o processo político que, a rigor, não se renova. Porque o sistema imposto atende, apenas, aos interesses de uma minoria privilegiada que faz do Estado sua fonte de poder e de renda. Um grande negócio. Um negócio da China.

Todavia, ainda há tempo para que o governo, que se diz sensível às causas que atentam contra a segurança e o bem-estar da população, rejuvenescido pelo resultado das urnas, e clamando pela união de todos em benefício do Brasil e dos brasileiros, ofereça os recursos e o total apoio para eliminar esta praga que se chama corrupção e que, na verdade, é o nascedouro de onde brotam todos os atos terroristas deste país, no jardim da impunidade e da indiferença para com o próximo. Escrevi esta crônica em janeiro de 2002. E agora, após pequenas atualizações, torno a levantar a questão que, ao que tudo indica, ainda carece do bom-combate. A despeito da desencanto que tomou conta de parte considerável de nossos irmãos brasileiros que, embora não vejam mais qualquer luminosidade no final do túnel, estão conformados e cheios de esperanças porque, ao menos, ainda existe o túnel, parafraseando o grande jornalista Joelmir B. da Rede Bandeirantes de Televisão.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui