Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
119 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57036 )
Cartas ( 21169)
Contos (12596)
Cordel (10077)
Crônicas (22197)
Discursos (3134)
Ensaios - (8999)
Erótico (13395)
Frases (43631)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2686)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138231)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Tambem Lareira -- 26/12/2013 - 02:14 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos






TAMBEM LAREIRA



Depois da chave entregue

e ter deixado a minha porta

escancarada

não sei se arrisquei tudo

sem ter nada



Não sei se dá cansaço

dá tontura (e a vontade?)

saber que a porta inteira fica aberta

não liga para a noite nem sereno

e sabe que estará a esperar-te

inteiro.

Não sei se cansarás,

virás primeiro

ou então me cansarei

porque não chegas



Depois que a gente abre

joga a chave

não fecha porque sim

e permanece...



Um dia te arrisquei em mim sem arte

no outro desdenhei e tu não vinhas.

E agora que destranco a casa toda

receio te perder

mesmo na porta



Falaste como abrigo em dia frio

e eu mantenho o fogo e a lareira

só resta algum instante como vinho

que queime e me destranque

a mim

inteira





----------------------------------------
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 55 vezesFale com o autor