Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
87 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57055 )
Cartas ( 21170)
Contos (12597)
Cordel (10080)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9003)
Erótico (13395)
Frases (43648)
Humor (18456)
Infantil (3773)
Infanto Juvenil (2688)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138244)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4854)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Sei não, nós. -- 21/12/2013 - 10:02 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Sei não, nós



Creio que arranharia tua pele

ou sairia correndo por fios

desajeitados

deixados por nossas pontas de novelos

esquecidos



olhe só.

Eu que queimava de vontade

agora escuto alertas e vidros

parece que é preciso

pular a janela

sair correndo

buscar refugio



e tento amalgamar as esperanças

que usam máscaras e temem

e são várias.



Mas não há de ser nada.

Ou tudo, sei não.



Pode ser que eu

desesperada

arranharia tua música

e então morreria de desgosto.



Por isso, vamos ao cinema.

Morrer não seria problema.



Mas depois do depois,

seria o nada?

Viver então, anestesiada

indiferente, isso sim

encrenca dada.



Eu quero fogo,

então

não posso.











Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 51 vezesFale com o autor