Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
121 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57043 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10078)
Crônicas (22200)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43638)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2687)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138232)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Vazio -- 17/12/2013 - 03:00 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos






VAZIO



Cheia de gente que passa

e exausta de convenções com pressa;

embaralhada entre obrigações

e ultrapassada como uma dor



absurdamente adjetivada

sem convicção de quase nada

meio molhada

sem guarda chuva

e em extinção



apelo a algo que ainda tenho

como um mendigo que pede água

arranho o mundo

cavalgo as nuvens



é isso sim : sair de fino

pensando a vida.

Há alguém vivo?



Apelo a algo se ainda tenho:

algo me rouba como um ladrão.

Tira a mesmice sem dizer nada

serve o silencio como um licor



Com isso ando ruas e muros

acariciando viver assim.

Como se tudo acabasse hoje...



Estes espaços são como vidas:

passam tão rápido, furtam o sol.

Isso que tenho me rouba inteira

rouba das coisas, rouba por mim.

Fico calada.



E volto a correr.

Alternativa? A eterna diva...

Morrer de sono? Viva a rotina.



Sou resgatada no meio ao nada.

Uma mirada, nem sei de quem.

Nem tudo é mudo:

há algo vivo

há algo sim







--------------------------------------------------
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 41 vezesFale com o autor