Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10176)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Vá entender... -- 03/12/2013 - 02:44 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

VÁ ENTENDER...

 

Alguns navios que construo

não se afastam de minha ilha

porque mesmo significando quietude

assim  preferem.

 

Meus navios são como palavras

que desejam ocupar uns ouvidos

mas construo seus barulhos como uivo

e preferem dormir comigo.

 

Entre mares e baías a quietude é salva vidas

porque faz a imensidão entrar na gente sem receio

e os torpedos que talvez se entorpecessem na saída

na quietude viram peixes ou marés ou agua viva

Eu construo meus navios para achar tesouros vivos

e pescá-los sem a rede

e poder dizer...amigos...

 

Mas nem sempre meus navios sentem força de navio

e se perdem nas marés como garrafas sem destino

porque é bela a água fria do oceano sem manual

sem controle

sem desculpas

sem as culpas

 

com as luas disponíveis

tanto cheias

quanto nuas

 

-------------------------------------------------------

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui