Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57012 )
Cartas ( 21168)
Contos (12603)
Cordel (10073)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43603)
Humor (18446)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2676)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138216)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Sequencia - Parte III "Resposta cambaleante" - De R F. -- 03/12/2013 - 01:53 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Resposta cambaleante

(para ser lida em tom suave)





Se meu corpo pousar numa avenida paulista

Meu coração da gangrena.



Arranque, arranque

Ele está convalecido

Podre, podre, podre

Meu coração vai morrer.



Se meu corpo parar numa avenida paulista

minhalma estará ausente

Serei um homem oco

Quase bem parecido com quem sou agora.



Mas se realmente eu estiver disposto a colocar o meu corpo numa avenida paulista

Estarei salvo.

Um anjo, desses anjos caídos que souberam cicatrizar

A ausência das asas,

Vai me pegar pela mão

E mostrar que meu coração não está morto

Apenas muito sofrido

Machucado

Magoado

E vai mostrar que não sou oco

Que minha alma é leve

Mesmo quando muito pesada.





de: Raphael Fonseca





___________________________________________
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 51 vezesFale com o autor