Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57028 )
Cartas ( 21168)
Contos (12587)
Cordel (10075)
Crônicas (22191)
Discursos (3134)
Ensaios - (8996)
Erótico (13394)
Frases (43621)
Humor (18450)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2681)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138222)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4849)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CAMA -- 28/09/2013 - 00:50 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


CAMA



Lençóis suaves e cheios de vontade

ardem as horas

perfume de rosas enchendo a boca

a mente pede coisas

viver é solitário embora cheio de gente

que vem pelo rascunho e passa

em qualquer porta

a porta que abres

a música que tocas.



Tuas notas são de vime e todas soam

e trazem teus silêncios e ritmos e alentos

tu tocas

como a boca.



Lençóis de pele viva que cobrem

ossos notam

lençóis que desbotam

pele que destoa



nenhuma pele morta por fim destoa

mas viva pele estranha

outra pele que a toque.

A pele é bela e tosca e sabe que se mostra

e viva estranha toca as peles que lhe tocam



Por isso ela está viva, destoa e desbota

junta-se aos lençóis

e forma a grande boca

aquela que me engole feito uma gaivota

e quase irreverente

também te toca.





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 51 vezesFale com o autor