Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57096 )
Cartas ( 21170)
Contos (12595)
Cordel (10090)
Crônicas (22210)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13401)
Frases (43742)
Humor (18481)
Infantil (3788)
Infanto Juvenil (2712)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138305)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4887)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->ROSTOS -- 14/02/2013 - 13:24 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


ROSTOS

Jan Muá

14 de fevereiro de 2013



No mundo dos sinais

Há linhas

Que ainda não são rostos

Mas já nos convidam a analisar

Sua identidade

Os rostos são sinais

que falam como almas

Ou como inteligências

Eles oferecem signos

Com detalhes

Capazes de nos oferecer retratos

dos sujeitos a que pertencem

Pelos sinais dos rostos

Somos convidados a entender

O tipo de pessoa que está diante de nós

Porque o rosto é certidão

De quem encontramos

De quem nos intriga

De quem nos seduz

De quem não nos compreende

Rosto é mensagem

divina por vezes

Pela intensidade com que se impõe

Rostos são luzes

Necessárias para conviver

Brilhantes empatias

Casuais simpatias e antipatias

Que iluminam o ato de viver

Caminhos de tranquilidade

Ou de intranquilidade

Estrelas de luz

Nos caminhos do tempo

Mas podem ser também epitáfios

Quando têm como suporte

Rostos perversos ou malditos

Ou rostos desprezíveis

Cujo destino é o de se transformarem

Em lápides sombrias que descerão por si sós

Em morte lenta

Ao túmulo do esquecimento.



Jan Muá

14 de fevereiro de 2013

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 74Exibido 238 vezesFale com o autor