Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
97 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57005 )
Cartas ( 21168)
Contos (12596)
Cordel (10072)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43601)
Humor (18446)
Infantil (3771)
Infanto Juvenil (2671)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138212)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Janela noite -- 30/09/2012 - 00:23 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Janela noite



Umas folhas de vento

um bordel aberto

as luzes brilhantes devoram

e viram martelos.



Sonoras:

aproveitam o cansaço

fazem nós nos fios baixos

deterioram com vontade

minha vontade.



Porque o parque divertido já se foi

e fiquei a ver navios

ou pior:

sem contagem passa o tempo

quando acordas já se foi

se o contares vai ainda

mais veloz

voraz e só



Umas poucas madrugadas

Joias tuas

desenhadas:

com a boca escancarada

quase tal bordel aberto

tudo podes em segredo

como as luzes malcriadas



Uma estampa desolada:

a cidade dorme e dança

come pizza

joga cartas

e entre o tempo e o barulho

passa o tempo, o tempo todo

madrugada

feito nada...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 126 vezesFale com o autor