Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
109 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57043 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10078)
Crônicas (22200)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43638)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2687)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138232)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Assédio -- 08/07/2012 - 22:56 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Assédio



Canta o silêncio dos objetos

estático como o instante

e passa por eles meu olhar

buscando



Creio que caminho pelo ar

vou acariciando como rio

rápida existência como alívio

lisa porcelana sem luar



Quero o que se esconde

o que se vai

isso que ninguém pode pegar



Quero dos compassos a harmonia

mão que faz o vínculo entre notas.



Quero o que transita sem ficar

isso

que me ajuda a navegar.



Calam os objetos a poesia

só pode criar quem assedia

voa arrisca e chia

por amar

 


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 97 vezesFale com o autor