Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57376 )
Cartas ( 21181)
Contos (12603)
Cordel (10138)
Crônicas (22259)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44132)
Humor (18585)
Infantil (3846)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138545)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Arquivo memória -- 15/05/2012 - 04:09 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Arquivo memória



Cérebro atordoado de valores

descontados e rotos

como degraus ao nada.



Cérebro cansado que perturba

abre portas de ruas

fecha coração

luta armado

deixa estar

dorme enforcado.



Cérebro humano

não sabe paixões

não decora canções

somente letras

aos montes.



Cérebro arquivista

real e adequado

sem qualquer perspectiva

de suores e dores.



Vou te dar o sangue quente

de um baile espanhol

com requinte vinho

sapateio

luar e fogo.

Depois te desligo do corpo

e aceno em teu vazio

algum nome:

num relax muscular

que tem fome

pinto angústia e dou-te

para que entendas por que

amor é dor

amor é morte



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui