Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
125 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57053 )
Cartas ( 21170)
Contos (12593)
Cordel (10080)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9002)
Erótico (13395)
Frases (43642)
Humor (18455)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2688)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138241)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4852)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Escrever palavras -- 03/02/2012 - 21:38 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




Escrever palavras



A delicada relação que tenho com as palavras

seduz-me para que pule em abismos

e corrói uma espécie de entranha

que tenho.



A violenta relação que guardo com as palavras

acorda-me no seio da noite

cutucando no meio dos ouvidos

algo que fala com elas



Temos uma estranheza abrupta

existencial e caótica como pensamento

e por isso escrevem na minha vida

dizendo que estou perdida

que encontro o rumo e construo

que estrago tudo e destruo

que nunca sairei do labirinto.



O alívio violento e perpetuante

refúgio ou vulcão ou precipício

cavado como uvas de livro

criança

escola

vovó viva

um parto hipnotizando meus ouvidos.



A estranha delicada relação

abrupta em agressiva escravidão

gostosa como coisa que diz não

e chama convidando

como som:

vos canto porque rio e choro em vão

se não puder caçá-las

feito pão.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 123 vezesFale com o autor