Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
221 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57766 )
Cartas ( 21192)
Contos (12699)
Cordel (10207)
Crônicas (22327)
Discursos (3143)
Ensaios - (9127)
Erótico (13426)
Frases (44561)
Humor (18707)
Infantil (3973)
Infanto Juvenil (2911)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138417)
Redação (2955)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5040)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Como Passeata -- 17/01/2012 - 00:03 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
PASSEATA



Não é bem que eu perca o sono.



O sono é que me perde,

sempre à noite

quando confabulado com os ponteiros

de um senil relógio

sobe ao navio do Tempo

e vem dizer :

vamos.



Fim do dia,

do momento,

da resistência do corpo

da receita da mente.



Mal sabe...



Na opacidade do pensamento

o sentimento acende a luz

pega as bandeiras da passeata

incita os sentidos à vida

e pergunta por você.



De madrugada também.



Sim.

Por você;

que quando surge de leve

ativa a minha adrenalina

motiva revoltas e fúrias

dos meus sentidos dormentes.



E o pensamento vencido

quer encontrar um sentido

para esta falta de nexo.

O sono dorme e eu penso.



Não tem relógio nem hora

depois que acorda a ferida.

Então eu chamo meu sono:

eu o convido ao cansaço

embora queira poesia.



Porque a passeata está viva.



A que você faz ser minha

(adrenalina em ferida)



Deixo-a solta nas veias

para te achar,

algum dia.



**********@@@@@@@*************
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 193 vezesFale com o autor