Usina de Letras
Usina de Letras
23 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50381)

Humor (20001)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140718)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Perguntas, ah, perguntas... -- 27/07/2006 - 10:47 (Airton Sampaio de Araújo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
No meu trabalho não é raro, lá pelas tantas, que
eu ouça ¿Professor,
para que serve a literatura?
Claro que a resposta a uma indagação enormassim
só podia ser, também, descomunal: o silêncio. Mas,
sei lá por que motivo, quebro-o. Para
nada, filho, a literatura serve para nada.
E, antes que a sensação de não-resposta outra
perguntirrespondível se-torne, arremato. E
para tudo.
É claro que, assim, respondo e não respondo, até
porque, como disse, certas interpelações, de tão
grandiosas, só admitem, como contraparte, algo
igualmente monumental: a boca fechada. Desta
feita, porém, lembrei-me de que, em "A Hora da
Estrela", o escritor Roberto S. M conta que o Sr.
Raimundo, acho que é esse o nome, o Sr. Raimundo
só não despede do emprego a pobre da Macabéa porque
sente pena da moça e só sente pena da moça porque
está lendo um livro que, se não me-falha a memória,
chama-se "Humilhados e Ofendidos". Eis,
pois, para que serve a literatura. Então,
professor, então a literatura mata. ?,
?. ¿Não
dizem que o suicídio de Werther desencadeou, à
época, uma onda de auto-homicídios? Ora,
filho, literatura é literatura, vida é vida.
E, antes que m´interroguem que é a vida, enlaço
as mãos atrás das costas e caminho, lentamente,
por entre as carteiras com jovens corpos e quiçá
velhas almas, eu a cabeça baixa, um tanto grisalha,
eu um simples professor que, no belo crepúsculo
solar de Teresina, se-curva, navalhado pela
saudadinfinita de minha Mãe e as própriasinsistentes
perguntas, vazias, todaselas, da mais mínima resposta.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui