Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
202 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58147 )
Cartas ( 21211)
Contos (12856)
Cordel (10239)
Crônicas (22090)
Discursos (3147)
Ensaios - (9227)
Erótico (13452)
Frases (45297)
Humor (18938)
Infantil (4160)
Infanto Juvenil (3233)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138718)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5252)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->CHORA, GIBRAN, TEU LÍBANO FERIDO -- 24/07/2006 - 12:27 (Orlando Batista dos Santos) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Chora,Gibran, porque teu Líbano, a eterna Fenícia que ensinou aos homens as artes das letras, do comércio e do acolhimento sofre outra vez os abalos do ressentimento.
Em teu país, Gibran, os cedros estão curvados, e o deus da guerra instalou seu trono em suas colinas; as trincheiras da intolerância se multiplicam e, das cercas que impedem o entendimento, abutres assistem suas dores com lúgubres intenções.
“A Música” silenciou, Gibran, constrangida por morteiros. “As Ninfas do Vale” recolheram-se, pois as “Almas Rebeldes” não desejam a Paz.
Bem sabes que as águias não precisam de escadas, mas a do Oriente está com as “Asas Partidas”. “Uma Lágrima e Um Sorriso”, talvez se possa vislumbrar entre “As Procissões” em busca de refúgios dos “Temporais” provocados pela insensatez humana. As “Curiosidades e Belezas” do Líbano jazem sob o pó e a fumaça.
“O Profeta” e “O Precursor” têm seus seguidores. Mas também “O Louco” encontra quem endosse seus projetos de fazer de “O Jardim do Profeta” nada mais que “Areia e Espuma”.
Gibran: “Os Deuses da Terra” não se entendem, mas “O Errante”, o homem de bem, não cessa de pedir a “Jesus o Filho do Homen” pelo fim desses males, e que “A Voz do Mestre” se faça ouvir para que todos vivam em Paz.
Lessem os homens teus livros, Gibran, e seriam amáveis. Meditassem teus poemas e compreenderiam o significado da Sabedoria. Porém, decoraram apenas o “olho por olho”, e expressam tal conhecimento na arte de matar. Que fazer, Gibran, senão oferecer-lhes agora tuas lágrimas? Chora, portanto, Gibran, o teu Líbano ferido. Choremos nós a ignorância do mundo.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui