Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50382)

Humor (20001)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140718)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O ponta de lança e... O ponta direita! -- 26/08/2009 - 11:03 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O ponta de lança!
Antonio Accacio Talli

Craque nasce feito, mas há necessidade de um bom preparo físico para agüentar os 90 minutos de um futebol corrido e violento.

Depois de uns 10 anos de formado, longe dos campos de futebol, vida sedentária e uns 15 quilos a mais, é acertado um jogo entre médicos e representantes de laboratório.

O nosso capitão, organizador do jogo, dono da bola, portanto com posição garantida no meio-de-campo, reúne-se com os colegas na sala dos médicos e começa a escalação do esquadrão invicto até então (nunca tinham jogado uma única partida).

Dr. Renê, alto, loiro, olhos claros, de descendência anglo-saxônica e, por isso mesmo, frio e calculista, com ligeira semelhança com o famoso médio-volante Beckenbauer (somente na aparência), completa o time, escalando Talli como ponta-de-lança.

No dia do jogo, momentos antes do início, Talli chega perto do capitão Renê, e confidencia:
“Na juventude, joguei no juvenil da Ponte Preta e o meu apelido era ‘Raio Humano’ por ser muito rápido. Também tenho um chute certeiro. Portanto, vamos combinar: o centroavante empurra a bola para o meia-direita, este atrasa para você, que imediatamente coloca a bola na entrada da área adversária; aí, deixa comigo, é só correr para o abraço”.

Tudo acertado, é dada a saída: em segundos, Renê, num belo passe em profundidade, deixa a bola a uns dez metros, na cara do gol. Talli, o “Raio Humano”, num “rush” espetacular, parte para dominar a bola e fazer o gol antológico. Após longos metros de corrida, ofegante e com a boca seca, aproxima-se e cai em cima da bola; ato contínuo, com vômitos incoercíveis, vai se arrastando até a linha de fundo, pálido e com o coração batendo descontroladamente. Decepção total.

Renê ainda tenta estimular o “Raio Humano”, agora já transformado numa “tartaruga aleijada”, gritando:
“Volta, você é a nossa esperança!”.

Infelizmente, Talli continuava a vomitar cada vez mais e assim foi até o término da partida. Não era o seu dia!

Depois de um mês, novo jogo foi marcado.

Na hora da escalação, alguns colegas que não tinham presenciado o primeiro jogo gritaram:
“Talli é o ‘Ponta-de-Lança!’”.

Dr. Renê, com sua fleuma característica, levantando o olhar para os colegas, pausadamente fala:
“Talli não é o ‘Ponta...... de........ Lança’, ele é... o ‘Ponta....... que....... Lança’”.


O ponta direita!
Antonio Accacio Talli

Em outro jogo, Dr. Martinho, após contar suas façanhas como craque na juventude, há 20 anos, avisa:
“Ponta-direita igual a mim só existiram dois, Garrincha e Julinho”. E Continua: “Sou veloz, tenho pique, grande visão das jogadas, não erro nenhum cruzamento, coloco a bola aonde eu quero, principalmente na cabeça do centroavante. Não tem erro, é gol certo”.

Dia do jogo, vai ser dada a saída da bola e Martinho, escalado na ponta-direita, aguarda ansiosamente que a redonda venha a seus pés para colocar em ação a sua jogada fatal. Não dá outra. A bola lhe é lançada e Martinho, numa arrancada fulminante, parte para o campo adversário e, certo de estar próximo da linha de fundo, resolve fazer o cruzamento mortal em direção ao centroavante e, aí, olha para ver a “menininha” no fundo da rede.

Mas qual não foi sua surpresa ao verificar que a bola foi parar no pé do centroavante adversário, que se encontrava no círculo central do gramado. Ele, Dr. Martinho, depois de todo esforço despendido, cansado e ofegante, ainda não tinha ultrapassado a linha do meio-de-campo, estando a poucos centímetros do ponto de partida.

Foi substituído, com um minuto de jogo, por absoluta falta de condições físicas.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui