Usina de Letras
Usina de Letras
95 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O menino de Piracicaba! -- 08/08/2009 - 11:11 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O menino de Piracicaba
Antonio Accácio Talli

Todo ser humano necessita contar vantagens para amaciar o seu ego, em todas as atividades profissionais ou esportivas.

Era comum, nas nossas cirurgias tranqüilas, sem anormalidades, na sua fase final, conversarmos sobre política, economia e, principalmente, futebol.

O alvo principal das nossas gozações era sempre o mesmo anestesista, por ser uma pessoa séria e que sempre reclamava da vida.

Uma das histórias preferidas, contada com ironia por mim, coadjuvado pelo auxiliar e que deixava o anestesista louco de raiva, era a do “menino de Piracicaba”.

O anestesista, não podendo sair da sala, era obrigado a escutar a narrativa dezenas de vezes. A única coisa que podia fazer era nos insultar quando já tenso e irritado.

Assim, eu começava:
“Doutor João, quando eu tinha 23 anos, cursando o terceiro ano de Medicina, eu e meus colegas jogávamos futebol na praia da Boa-Viagem, em Niterói, sempre à tarde, quando as aulas já haviam terminado. Após uma dessas peladas, um rapaz da minha idade, que eu nunca tinha visto, aproximou-se e perguntou:

‘Você morou em Piracicaba?’.

‘Sim’, respondi. ‘Quando tinha sete anos de idade; por quê?’.

Aí, ele se explicou:
‘Eu estudo Odontologia aqui em Niterói, e ao ver a sua maneira de jogar e driblar, veio em minha mente a imagem de um garoto que jogava num pequeno campo próximo à estação da Paulista, em Piracicaba. Era um craque, um verdadeiro artista da bola’.

Então, modestamente, falei:
‘Realmente eu jogava diariamente nesse campinho’.

“Viu, João, a minha satisfação foi aquele rapaz reconhecer-me após tanto tempo, pela minha maneira de jogar”. E continuei na gozação: “Hoje ele deve ser um dentista famoso e quando vê um grande craque jogando deve lembrar-se daquele gênio da bola que tanto o impressionou em sua infância”.

Ao terminar a história, eu sempre levantava a voz em direção ao anestesista e dizia para o auxiliar, meu cúmplice:
“Craque nasce feito, depois é só mostrar o seu grande futebol”.

Nesse momento o anestesista queria sumir.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui