Usina de Letras
Usina de Letras
104 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O assalto! -- 21/07/2009 - 10:41 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O assalto
Antonio Accacio Talli

Era comum eu, após partos e cesarianas realizados à noite, sair do hospital, passar na padaria próxima e comprar pão e leite para o dia seguinte.

Numa dessas noites, às 23 horas, parei na padaria, adentrei e me dirigi à vendedora, já minha conhecida. Eu, nessa noite, estando todo de branco, ao fazer o costumeiro pedido, notei que a moça estranhamente começou a piscar e, com um gesto brusco, tirou o relógio e a aliança e jogou-os entre os seios. Apavorada, sem fala, tentou comunicar-se comigo com os olhos.

Eu, de costas para a porta de entrada, nunca poderia imaginar que estava ocorrendo naquele instante um assalto. Virei o corpo e notei, a uns dois metros, um homem baixo, mulato e com um boné na cabeça, que falou:
“Dá o dinheiro, dá o dinheiro!”.

Num relance, pensei:
“Esta não é hora de esse cara pedir dinheiro”, e ia dizer: “Vai trabalhar que dá mais certo!”.

Nisso, fixando o olhar em sua mão direita, vejo um revólver preto, enorme, apontado para minha barriga. Aí, além de pedir o dinheiro, ele gritou:
“É um assalto!”.

Pensei em reagir, mas, por sorte, resolvi olhar ao redor para verificar se ele estava sozinho.

No caixa, outro assaltante, com um revólver, ameaçava o dono da padaria, um senhor português, saqueando a féria do dia e olhando para nós. Seria uma temeridade qualquer reação.

De frente para o bandido, olho no olho, travamos um diálogo exasperado.

Ele falava:
“Dá!”.

Eu respondia:
“Tá!”

Dei carteira, dinheiro e só não dei as calças porque ele não pediu. O assaltante, sentindo firmeza no Doutor, disse:
“Todo mundo para o banheiro”.

O balcão, em frente do qual eu estava, dividia a padaria em duas partes: na frente, o caixa e um minimercado; atrás, viam-se, através dos vidros, o forno a lenha e as máquinas usadas na confecção dos pães. O banheiro localizava-se perto de uma escada que conduzia ao pavimento superior, onde ficava o escritório.

Os padeiros e as vendedoras entraram correndo no banheiro. Dei uma olhada e vi o português que vinha em minha direção com um revólver engatilhado e apontado para sua cabeça. Atônito, pensei entrar o mais rápido possível no banheiro, quando o assaltante que me ameaçava gritou novamente:
“Me dá o seu relógio”.

Arranquei bruscamente o relógio e, com cara de mau, entreguei-lhe. Nisso, o português passou por mim como um raio, subiu a escada e entrou no escritório. Eu, com passos rápidos, porém sem correr para não demonstrar medo, segui o caminho do português.

Os assaltantes, por sua vez, nos abandonaram e começaram a saquear tudo que poderiam levar.

Quando cheguei na porta do escritório, esta estava fechada por dentro. Repetidamente, forcei a maçaneta sem sucesso. Foi aí que pensei:
“Esse português, apavorado, pode pensar que são os assaltantes e mandar bala pela porta. Vou ficar quieto”.

Encostei-me ao lado da porta, no topo da escada, quando um senhor baixo, de bigodinho preto e que acabara de entrar na padaria, apareceu embaixo da escada e, passando a mão na cabeça toda ensangüentada, falou:
“Vim comprar pão e olhe o que aconteceu, levei uma coronhada na cabeça”.

Vendo que ele ainda tinha o relógio no braço, disse-lhe:
“Fique quieto e dê graças a Deus por estar vivo e com o relógio, o meu já foi”.

O quadro naquele momento era este – o português, fechado dentro do escritório, avisando a Polícia do assalto, via por uma enorme janela os assaltantes colocando os produtos roubados num carro. Ao volante, outro bandido partia em alta velocidade. Eu e o cara do bigodinho, sem saber o que estava acontecendo, certos de que os bandidos ainda estavam na padaria, apavorados, permanecíamos imóveis e em silêncio.

Dentro do banheiro, um dos padeiros, preocupado com os pães que estavam dentro do forno, gritava:
“O sovado vai queimar”.

Após uns 15 minutos, o português resolveu abrir a porta e nós, não sabendo da partida dos ladrões, entramos correndo e gritamos:
“Fecha a porta que eles vêm aí!”.

Rapidamente, o português fechou a porta com a chave, pegou o telefone e ligou novamente para a Polícia, dizendo:
“Eles voltaram”.

Para nossa sorte, a Polícia, com a presteza que lhe é característica, só chegou após 30 minutos do acontecido, evitando um possível tiroteio que colocaria em risco a vida de todos os presentes, pois a padaria tinha uma porta única.

Com a chegada da Polícia, a situação se acalmou e pudemos respirar aliviados.

O português, ainda assustado e tenso, disse:
“Senti a morte de perto em duas ocasiões – quando o assaltante estava com o revólver engatilhado em minha cabeça e me empurrava com ele. O tiro poderia sair a qualquer instante”.

E continuou falando:
“Achei, ainda, que o bandido poderia me jogar dentro da máquina de amassar o pão ou no forno”.

No dia seguinte, o assalto saiu nos jornais e os colegas do hospital quiseram saber os pormenores. O acontecido demorou no máximo cinco minutos, porém eu demorei duas horas para fazer seu resumo.

Depois de uma semana do assalto, um colega chega na sala dos médicos, me avisa de que um assaltante fora baleado pela Polícia e estava sendo operado. Em seguida, diz:
“Será que não é um daqueles que te assaltaram?”.

Fui até a sala de operação e, ao vê-lo deitado, olhos fechados, anestesiado, falei:
“É esse filho da p..., mesmo!”
Para meu azar, ele tinha sido anestesiado só da cintura para baixo e, nesse instante, abriu os olhos e me encarou. Aí, num ímpeto de coragem, falei para os colegas:
“Não, eu me enganei. Não é ele, não”.

Por dentro eu estava pensando:
“Eu, hein! A Polícia me disse que o homem é um assassino frio e cruel. Já matou uns dez! Tá doido, nessa eu não entro, não”.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui