Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59156 )

Cartas ( 21237)

Contos (13110)

Cordel (10292)

Crônicas (22201)

Discursos (3164)

Ensaios - (9445)

Erótico (13482)

Frases (46558)

Humor (19288)

Infantil (4464)

Infanto Juvenil (3737)

Letras de Música (5480)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138288)

Redação (3057)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5536)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->AGUACEIRO -- 13/10/2010 - 18:02 (Lílian Maial) Siga o Autor Outros Textos
. AGUACEIRO

®Lílian Maial







Dou trombadas pelas paredes, arranjo galos substantivos.

Sou um caso raro de poesioma crônico.

Se não tenho respostas, descarrego nas palavras.

Elas têm consistência de talvez e cor de espanto.

Espremo um verso e drena um pingo.

Palavras têm cheiro de chuva.

Deveria chover palavras e, assim, palavrar os pastos e as montanhas.

Poderíamos passear na chuva e colher verbos respingados do telhado.





Quando chove, tudo molha, não apenas meu corpo enrijecido.

A água amolece tudo, só não desperta meu pensamento de pedra.

O sono é pesado na balança dos anos.

Sou obesa de versos, conversiva.

Descubro poemas na pele, como essas manchas do sol.

Uma, três, dez, a cada dia mais e mais poemas solares.

E vem a chuva e me encharca de palavras,

Deixa a oração colada ao corpo, eriçada memória.





Preciso secar a umidade das metáforas.

Há bolor nas palavras guardadas nas prateleiras.





Tenho receio daquilo que vejo.

Preciso voltar ao tempo de maria-mole e desaprender desapegos.

Saía na chuva e apenas sentia água e atrevimento.

Hoje, temo as verdades inundadas de partidas.

Anseio pela cegueira da palavra enucleada.

Então, com ares de certeza, daria trombadas pelas paredes,

Sentiria o cheiro da garoa de letras,

E ouviria as águas, o choro, a escoar,

Como no olhar perdido da pedra.





****************





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui