Usina de Letras
Usina de Letras
74 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O neurocirurgião!! -- 09/07/2009 - 12:00 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O Neurocirurgião
Antonio Accacio Talli

Um famoso neurocirurgião, após cinco anos de especialização nos Estados Unidos, retorna e começa a clinicar e operar numa grande cidade do interior do estado. Naquela época havia poucos especialistas nessa área difícil da medicina.

Pela sua formação no exterior, ele se tornou extremamente arrojado, operando todos os casos que apareciam na especialidade. Por esse comportamento, era respeitado e admirado por uma parte dos colegas. Porém, em contrapartida, era criticado pelos que não aceitavam sua maneira de agir.

Numa determinada manhã, o neurocirurgião, ao entrar no centro cirúrgico para realizar uma operação, foi avisado de que esta havia sido suspensa, pois o paciente tinha fugido do hospital na noite anterior. O Serviço Social foi até a casa do doente para saber o porquê da sua fuga.

O paciente, apavorado e assustado, contou:
- Eu estava dormindo, quando entrou no quarto e acendeu as luzes um velhinho todo de branco, andando e enxergando com dificuldade, perguntando pelo meu nome. Ao me identificar, ele falou:
‘Pegue suas malas e caia fora enquanto é tempo. O cirurgião que vai operá-lo amanhã já fez cinco cirurgias neste hospital e a estatística não é nada animadora. Dos cinco, dois morreram e três ficaram loucos’.

- Aí, não tive dúvidas, arrumei as malas e pulei pela janela do segundo andar do hospital. Esse neurocirurgião nunca mais vai me ver pela frente. Eu, hein!

O velhinho de branco era, simplesmente, o diretor clínico do hospital em questão.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui