Usina de Letras
Usina de Letras
102 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O cirurgião bala! -- 06/07/2009 - 10:46 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O cirurgião-bala

Eu tinha um colega extremamente agitado, rápido e sempre estressado. Ele não queria perder tempo.

Ótimo cirurgião, um dia entra na sala de cirurgia no horário prefixado e começa a arrumar a mesa. Anda de um lado para outro, lépido como um coelho, e vai falando para a enfermeira:
“Abre a caixa do material, me dá compressas grandes e pequenas, gazes e fios, liga o bisturi elétrico etc., etc.”.

Com a gaze presa na pinça, pede o antisséptico para fazer a assepsia e, agora, de frente para a mesa cirúrgica, pergunta para o anestesista:
“Posso começar?”.

O anestesista, calmo e tranqüilo, retruca:
“Poder, pode, só que tem um pequeno problema: a doente ainda não está na sala, foram buscá-la no quarto”.

O cirurgião, cego pela pressa, não notara a ausência da doente e por pouco não faz a assepsia da mesa cirúrgica.


Esse mesmo cirurgião ficou de ajudar-me em uma cirurgia.

No dia anterior, esqueci de avisá-lo e, na hora da operação, telefonei-lhe perguntando se poderia auxiliar-me. Eram 6:45 horas da manhã e a cirurgia estava marcada para as 7 horas. Quando telefonei, ele ainda estava dormindo, portanto, resolvi tomar um café para fazer hora até a sua chegada, pois ele morava longe do hospital. Às 7 horas, ainda estava tomando o meu café quando a enfermeira avisa-me de que o auxiliar já estava na sala, tinha arrumado a mesa e iniciara a assepsia da paciente.

Não acreditando, entrei na sala e, aí, ele foi dizendo:
“Na próxima vez, avise-me com antecedência. Estava dormindo quando você me telefonou”. E continuou: “Fiz a barba, tomei banho, café, levei minha filha para a escola, encontrei o trânsito bastante congestionado e tive dificuldade para estacionar. Desculpe se eu demorei”.

Nesse momento, percebi que, se eu tivesse bobeado no café, ele teria operado a minha paciente.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui