Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
134 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57005 )
Cartas ( 21168)
Contos (12596)
Cordel (10072)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8994)
Erótico (13393)
Frases (43601)
Humor (18446)
Infantil (3771)
Infanto Juvenil (2671)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138212)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Companhia -- 01/10/2010 - 01:57 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




Companhia



Alguém tem que receber

minhas flores, senão



as pétalas ficarão mudas

meus pensamentos não terão sementes

e os jardins

não vão desejar a primavera.



Você já pensou em banir a primavera?

Somente inverno sem outono

e escaldante verão.



E nós nos escondendo das geadas

ou buscando as sombras escuras...

Os entremeios são a poesia da suavidade

e o anúncio preparatório das fúrias.



Receba minhas flores como sinal

do cuidado que dou ao meu jardim

para que a leveza toque a alma das perguntas

e ressoe amaciando a solidão...



Então

confundiremos nossas sementes

guardando no outono nossas colheitas.



Tornaremos a primavera possível

compartilhando a vontade de florescer.



E a solidão será apenas um canto ameno

como um farol no mar revolto

da multidão...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 156 vezesFale com o autor