Usina de Letras
Usina de Letras
84 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O negativista! -- 05/06/2009 - 14:24 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O Negativista
Antonio Accacio Talli

Dr. Teixeira, além das atividades que exercia profissionalmente, era uma pessoa honesta, extremamente bondosa, amigo de todos, contador de piadas; porém, excessivamente negativista.

Enquanto a maioria das pessoas procura contar apenas as coisas boas que acontecem em suas vidas, acrescentando inclusive vantagens e mentiras que favoreçam a sua imagem, Teixeira, ao contrário, esconde as suas qualidades, que são muitas, e conta apenas os fatos negativos.

Vejamos alguns:

1) O Fenômeno

Estávamos na sala dos médicos comentando sobre um garoto que aparecera na televisão e era um verdadeiro fenômeno: com apenas três anos, fazia todas as contas (somava, subtraía, multiplicava e dividia), lia e falava muito bem português, inglês e espanhol; enfim, era um garoto prodígio.

Teixeira, quieto num canto, pede a palavra e fala:
“Esse menino não é um grande fenômeno. O maior fenômeno tenho eu na minha casa, o meu filho”. E continuou: “É um garotão forte, bonito e inteligente, porém, ao mesmo tempo, preguiçoso e irresponsável, nunca gostou de estudar e, hoje, com 20 anos, não sabe ler, nem escrever, e muito menos fazer conta etc., etc. A única coisa que sabe fazer, e por sinal muito bem, é pedir dinheiro para sair com garotas”.

2) O Monstrengo

Teixeira, antes de sair para o trabalho, coloca a cueca molhada para secar na janela. Após meia hora sob um sol abrasador, veste a cueca seca, a calça, e começa a notar uns movimentos estranhos na sua genitália. De repente, uma ferroada no pênis e uma dor terrível que arranca dele gritos desesperados e lágrimas.

Ao verificar a causa, nota um marimbondo grudado na glande.

O negócio começa a inchar assustadoramente e Teixeira, com dores e apavorado com aquele monstro disforme e crescendo cada vez mais, corre e procura um urologista amigo.

O urologista, ao ver aquilo, agora, com a aparência de uma tromba de elefante, assustado, diz:
“Teixeira, o que aconteceu? De onde surgiu esse ‘monstrengo?’ Você sempre foi assim, ou veio de um outro planeta? Na minha longa experiência, nunca vi coisa igual. Isso está pavoroso”.

E arremata: “Para mim, ele está morto já faz tempo e você não percebeu”.

Apesar de tudo, após intenso tratamento e reza brava, o negócio do Teixeira voltou ao normal.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui