Usina de Letras
Usina de Letras
76 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O Aprendiz de Anestesista! -- 21/04/2009 - 20:43 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O Aprendiz de Anestesista
Antonio Accacio Talli

Professor Doutor Mário Pavão era chefe do Departamento de Ginecologia. De renome internacional, cirurgião de uma habilidade extraordinária, com seus 65 anos, aproximadamente, era respeitado pelas suas qualidades de administrador, disciplinador e dono de uma cultura invejável. O pessoal tinha um verdadeiro pavor do homem. Não era dado a risos nem aceitava bajulações – queria trabalho. A enfermaria funcionava como se fosse de primeiro mundo. Quando ele operava, a sala ficava lotada de estudantes e médicos sequiosos em aprender, querendo assistir à demonstração de perícia do grande cirurgião. Suas operações eram realizadas num silêncio total. A equipe cirúrgica se comunicava unicamente por sinais. O único a falar com o anestesista-chefe era o Doutor Pavão. Era sempre a mesma pergunta:
“Tudo bem?”. E a resposta, invariavelmente, era esta: “Sim, tudo bem, professor”.

Numa determinada manhã, o Dr. Pavão operava num ambiente tenso, sala abarrotada de médicos, cirurgia difícil e sangrando muito, quando o silêncio foi quebrado por uma voz ainda juvenil:
“E aí, Pavão, tudo bem, tranqüilo?” – era o estudante de Medicina, terceiranista, que iniciava o estágio no Serviço de Anestesia.

O ambiente, que já era tenso, ficou insuportável – um verdadeiro barril de pólvora prestes a explodir. A incredulidade era geral. Os auxiliares de cirurgia e a instrumentadora, estupefatos, deixavam os instrumentos cirúrgicos caírem das mãos. Até aquele dia, ninguém ousara dirigir a palavra àquele cirurgião sério, sisudo e de nenhum riso durante o ato cirúrgico. O chefe da anestesia queria estrangular o estudante e, em seguida, sumir.

Quando todos esperavam a expulsão do ingênuo e atrevido acadêmico, eis que o Professor Doutor Pavão, voltando o olhar para ele, com um sorriso paternal, respondeu:
“Tudo bem, meu filho”.

Após muitos anos de convivência com o eminente e sério médico, era a primeira vez que eu o via sorrir.

Observação: este conto faz parte do livro `Injeções de Humor`, de Antonio Accacio Talli, publicado pela Editora Komedi.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui