Usina de Letras
Usina de Letras
80 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->A senha e.... A carta! -- 15/04/2009 - 11:46 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A SENHA
Antonio Accacio Talli

Já formado, ingressei no INSS onde trabalhei durante 18 anos como médico ginecologista. Era muita gente para ser atendida por poucos médicos. O limite de consultas era de 20 por dia; porém, atendiam-se até 60. O Doutor tinha que ser rápido, pouca conversa e muita ação.

A paciente chegava de madrugada, recebia uma senha e ficava na fila por horas a fio. Na sua vez, ela entrava na sala entregando ao médico a senha.

Num determinado dia, uma senhora adentra a sala de consultas com um papel na mão. Imediatamente, o Doutor tira a sua senha e deposita-a num recipiente em cima da mesa. Rapidamente, ela apanha de volta o referido papel e segura-o firme. Novamente, o Doutor avança sobre o pequeno papel e tira-o bruscamente de suas mãos. Delicadamente, a mulher volta a pegá-lo com firmeza. Essa cena repete-se por várias vezes. Perdendo a paciência e achando que a mulher estava a fim de irritá-lo, fala em alto som:
“Minha senhora, por favor, deixe a senha aí”.

É nesse instante que o Doutor nota o drama que estava sendo vivido por aquela infeliz criatura.

Com lágrimas nos olhos e falando com dificuldade, responde:
“Doutor, esse papelzinho é o meu passe de ônibus”.


A CARTA
Antonio Accacio Talli

Em uma outra ocasião, uma doente entra no consultório com um envelope na mão.
O Doutor, já cansado por ter atendido mais de 40 mulheres naquela manhã, pega o envelope, rasga-o e retira os exames.

Ao iniciar a análise desses exames, para sua surpresa, percebe que aquele papel era uma carta que a pobre mulher estava endereçando a seu filho que residia em Jequié, na Bahia, afastado dela havia mais de dez anos. Após a consulta, ela iria depositar a carta nos Correios.

Tarde demais. O Doutor, com a velocidade de um raio, numa demonstração de péssima relação médico-paciente, simplesmente acabara com a relação mãe-filho.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui