Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
164 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57822 )
Cartas ( 21201)
Contos (12750)
Cordel (10224)
Crônicas (22042)
Discursos (3145)
Ensaios - (9163)
Erótico (13441)
Frases (44848)
Humor (18808)
Infantil (4037)
Infanto Juvenil (3012)
Letras de Música (5488)
Peça de Teatro (1325)
Poesias (138413)
Redação (2968)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5110)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Lisura -- 14/07/2010 - 22:42 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Lisura



Minhas listras de zebra

de repente ficaram visíveis e anulei a gana de fama

como homem que não se engana

com gosto

de fel.



Aparadas as unhas

dedos contra a parede

lisa

cortante

sem qualquer sangue

apenas:

ser.



Dói mais do que a dor

a dor

de não ter o galho

pra se prender:

a dor da lisura

sem ponta ou agulha

sem corte bravo

sem fome ardente.



A indiferente

parede lisa

que a mão avisa

sem percorrer:

lúcida e cruel.



Para cortar um doce banal

dolorido

até a alma

a rude estética destas listras

zebra grotesca

que levo em mim.

Ela me expõe

e então

me resgata.

Põe fogo na fama

qualquer que seja: pobre ou oculta.



Ou mesmo insana.

Desmonta o lado da moça amena.



Come da grama.



Me empresta a gana.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 187 vezesFale com o autor