Usina de Letras
Usina de Letras
85 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Tragédia no morro! -- 23/03/2009 - 17:09 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Tragédia no morro
Antonio Accacio Talli

Emergência para uma senhora desfalecida, esse era o telefonema dado para a Central de Atendimento do Pronto Socorro.

Eu, quartanista de Medicina, pouco acostumado com a rotina do PS, fui escalado para atender ao chamado. Passei ¬a mão na valise de doutor, e, juntamente com o enfermeiro e sua enorme mala de remédios, parti na ambulância com a sirene ligada e em alta velocidade. Ela ia surfando pelas avenidas e ruas, e eu, apavorado e agarrado ao banco – ‘não passava nem pensamento’. Chegamos embaixo de um grande morro, onde várias mulheres choravam e uma delas gritava:
“Minha mãe, minha mãe, coitada!”.

Começamos a subida do morro por um atalho estreito de terra, acidentado e sinuoso. Na frente ia o Doutor, seguido pelo enfermeiro e pelas mulheres que choravam e rezavam, parecendo uma verdadeira procissão. O morro era alto e quando o cortejo atingia já a metade da subida, um homem alto e forte surge obstruindo a passagem.

O Doutor não pode ter medo, e recuar nem pensar, porém, ligeiramente assustado e com o coração na mão, olha para baixo e pensa:
“Se esse homem me der uma cacetada vai demorar uns dez minutos para o meu corpo se esborrachar nas pedras salientes ou nas águas do mar”.

Escorando-se pelo lado do barranco, chega frente a frente, olho no olho, do homem que permanecia estático e calado. Com voz firme – mas se borrando todo – o Doutor pede:
“Com licença”.

Ele nem se mexe. Espremendo-me todo entre o homem e o barranco, consegui ultrapassar o obstáculo com passos firmes e decididos – eta Doutor macho!

Ao chegarmos ao topo do morro, conduzidos pelas mulheres, entramos em um casebre simples com apenas um quarto e uma pequena cozinha. No meio do quarto, uma cama de casal, e deitada sobre ela uma senhora idosa toda ensangüentada. O Doutor acomodou-se numa pequena cadeira ao lado da cama para examiná-la e, então, aquele homem que obstruí­ra o caminho sentou-se no outro lado, permanecendo calado.

O exame foi rápido, pois a pobre anciã já estava morta, com sinais claros de violência. Olhei em direção ao homem que estava na minha frente e pensei em lhe dirigir a palavra para comunicar o diagnóstico de morte consumada.

Nesse instante, notei que uma mulher fazia sinais para que eu me dirigisse até a cozinha. Fui até ela que, tremendo, disse:
“Doutor, aquele homem é meu irmão; fugiu do hospício e matou a minha mãe a pauladas. Cuidado”.

O Doutor, apavorado, sentindo a gravidade da situação, pensou:
“Se ele tiver outro acesso, estou frito. Puxa vida, elas podiam ter me avisado lá embaixo, quando ainda eu poderia fugir. Agora, o que é que eu faço?”.

Aí, lembrei-me de um colega que trabalhava num manicômio, o qual sempre me dizia:
“Louco respeita médico quando este se impõe com auto¬ridade”.

Não vendo outra saída, era matar ou morrer – ou correr –, gritei:
“Todos aqui vão tomar uma injeção na veia, e o senhor é o primeiro!”.

O colega tinha razão. Ele veio calmo, pacífico, e deitou-se num pequeno sofá ao lado da cama. Rapidamente, o enfermeiro aplicou um sonífero e, poucos minutos após, o louco roncava pesadamente.

Pedi para que a família avisasse imediatamente a Polícia, e me mandei antes que o louco acordasse.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui