Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57395 )
Cartas ( 21182)
Contos (12616)
Cordel (10141)
Crônicas (22260)
Discursos (3139)
Ensaios - (9065)
Erótico (13414)
Frases (44153)
Humor (18595)
Infantil (3853)
Infanto Juvenil (2804)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138563)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2409)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4945)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Jardim queimado -- 27/05/2010 - 23:48 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Jardim queimado



Chuvas

pesadas

arruinaram

as flores.



Linha de prata que tenta

sobreviver

alinha-se

dentro

do estômago

pinçando

meus sonhos.



Não se entende o corpo;

apenas

pode-se deixá-lo argumentar.



As cordas são vocais

as pernas

decididas pelo que se move vem

ou vão

mas as chuvas

apodreceram as flores.



Porque tudo que se inunda demais

talvez morra.



Eu havia dito à minha parte exagerada

que cuidasse do jardim com equilíbrio;

que medisse as palavras

que inundasse

pouco.

Muito pouco.

Mas...

Como evitar que a chuva mande seu brio

e desfaça as pétalas?



É muito difícil inundar

na medida certa.



No corpo não é assim:

as inundações podem ser boas.

O sangue

a água

o soro

a lágrima

o sêmen

a saliva...



Mas no peito

os sentimentos inundados

fazem desastres.



A ansiedade

vira ânsia

a saudade

cisma



e o desejo

uma

grande

náusea.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui