Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
127 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57053 )
Cartas ( 21170)
Contos (12593)
Cordel (10080)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9002)
Erótico (13395)
Frases (43642)
Humor (18455)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2688)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138241)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4852)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Por acaso -- 24/05/2010 - 22:48 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Por acaso.



Não venha me dizer

o que não mata.

Após a chuva forte

sem regata

o que me salvaria?

Os nomes são de lata, a vida

como a mata:

perigos de feridas e de quedas

mordidas venenosas ou por feras...

Mas nesta mata tua

eu te digo:

não tem quem tenha culpa

Só o que doa...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 174 vezesFale com o autor