Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
93 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57546 )
Cartas ( 21185)
Contos (12635)
Cordel (10186)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44321)
Humor (18630)
Infantil (3914)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138271)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4993)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Delírio -- 20/05/2010 - 00:17 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Delírio



Queria minha paz de velho

como gangorra ou balanço,

praça,

domingo,

silêncio. Queria,

porque achava que precisava e estava

quase sem nexo.



Algo assim como ter o espaço

dentro das próprias costelas sem precisar pagá-lo.



Você surgiu sem surgir



(eu não sei se estás mesmo

ou

se sou eu que te faço;

valho-me de um pedaço como desenho ou sonho

algo que penduraste aqui

em minha carência exausta)



Eu sei lá se agarrada

como a uma balsa estranha

por causa do naufrágio

que abandonei por pouco...



Naufragar é preciso, sim.



Às vezes me apareces na sala dos espelhos

E eu se corro te vejo

E fico

Quase que... com desejo.

Como saber se é mesmo

este

o delírio certo?



(mesmo que nunca saiba

se for a dois,

é mesmo...)

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui