Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
99 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57369 )
Cartas ( 21181)
Contos (12607)
Cordel (10136)
Crônicas (22252)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44124)
Humor (18580)
Infantil (3845)
Infanto Juvenil (2800)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138540)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4943)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Estás -- 16/05/2010 - 19:25 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Estás





Ao abrir a porta

te vejo ao fundo.

Sustentas um ar de “talvez”

misturado ao de livres gaivotas

e eu,

meio solta, meio louca;

revido a vontade de correr

para não sofrer

e me digo:

“gostaria muito de beijar-lhe a boca”.



Gostaria?

Seria como andar no ar

pendurada na corda bamba

sem qualquer gancho de segurança

e se eu olhasse para baixo, lá estaria o chão.



Seria ter que saber que sei

e dizer que sabes o que sinto

tipo: tomar absinto;

porém sem quarto

para ficar ou ainda pior:

sem salão

para dançar.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui