Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57005 )
Cartas ( 21168)
Contos (12596)
Cordel (10072)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43601)
Humor (18446)
Infantil (3771)
Infanto Juvenil (2671)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138212)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Rasa -- 25/04/2010 - 01:22 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


RASA



Não transcendo nada,

sou bem rasa.



Vejo através dos olhos

somente o que os olhos vêem

e sem permissão alguma

espio teu lado humano:

carne, sangue, pele.



As portas

não me assustam

porém me dão medo as paredes

principalmente se parecidas

com caixas

que vão se fechando:

tenho minhas próprias prisões

os outros não podem aumentá-las...



Uso as armaduras

transparentes

porque leves, permissivas,

anunciantes:

sei que não se pode andar na rua

sem alguma coisa que proteja.

Mesmo assim delatam minha sede

e servem para achar meus semelhantes.



Sei que não se pode andar na vida

sem alguma coisa que te chame

sem alguma coisa que hipnotize

ou que simplesmente

te deseje.







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 180 vezesFale com o autor