Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
143 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57767 )
Cartas ( 21192)
Contos (12690)
Cordel (10207)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9126)
Erótico (13427)
Frases (44578)
Humor (18707)
Infantil (3974)
Infanto Juvenil (2913)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138415)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5043)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Feriado -- 21/04/2010 - 18:40 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Feriado



Raspo as banalidades

com um eco ao fundo.

Varro, atendo,

ventilo

respondo:

vultos e objetos que fazem os dias

temendo alternância

dos acontecimentos.



Mas eles: coisas.

Tem seus limites pequenos

não pensam

não falam

não cantam nada.



E eu, que os mudo de lugar

mudos

raspo as banalidades

e anelo mudança

e então sem mais nada

abro a porta sem escada

pára-quedas

coisas raras

atiro-me da janela

deste dia

azulejado

e te descubro de novo

pendurado nesse eco

lá no fundo

do meu poço.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 164 vezesFale com o autor