Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
102 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57384 )
Cartas ( 21182)
Contos (12609)
Cordel (10139)
Crônicas (22258)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44149)
Humor (18586)
Infantil (3848)
Infanto Juvenil (2803)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138552)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Nascente -- 20/04/2010 - 21:08 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Nascente



Amor:

nasces como capim

selvagem e verde escuro

sem flores nem espinhos,

apenas nasces.



Soltas o teu veneno

ou perfumas a alma estéril

conforme as cores que tocas

e o recipiente que invades.

Se não te dou água fresca

é porque açoita-me o medo

de que me engulas, me acabes

me desconheças

me ames.



Amor que chegas, não vires

a chave do apartamento

não vires carro, mercado:

eu te prefiro calado

no meu esterno agarrado.



Meio boteco, largado

cara de sono e chumbado...



Pior do que a falta muda

do teu pulsar entreaberto

é quando viras do avesso

e marcas hora; regresso.

Ou quando apontas o dedo

querendo absurdas linguagens:

que eu vista marca de um traje

que mude em mim os detalhes.



Minha hippice é genética:

os meus sinais desordeiros

são as tatuagens que levo.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui