Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
224 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57813 )
Cartas ( 21200)
Contos (12737)
Cordel (10224)
Crônicas (22098)
Discursos (3145)
Ensaios - (9161)
Erótico (13441)
Frases (44840)
Humor (18807)
Infantil (4037)
Infanto Juvenil (3009)
Letras de Música (5488)
Peça de Teatro (1324)
Poesias (138405)
Redação (2967)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5107)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Braços e tudo mais -- 18/04/2010 - 21:28 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Braços e tudo mais



Como o pé ressente o pano

eu te trituro

sobe, anda...



Nessa noite em que falaste

vinho

capa

mesa e lustre

demarcaste até a calçada

que virias

que não é nada.



Os lugares tem memória

eu?

Sensório

nestes poros

como se fossem lanternas

e então as pernas:

quase abertas

mas fechadas

te esperando

madrugada:

tu falavas.

Eu calada.



E na beira

dessa escada

que interrompe a minha sala

com vontade de ter quarto

me anuncia como fêmea

me delata

(me detenha!).



Não entendes:

quero o fora

quero embora.



Quero aqui ou em qualquer lado

e depois te quero longe

como tempo

ou como Vênus.



Sei vazio e linha reta

sem as mãos e sem as pernas;

quase loucas, quase abertas

eu imploro a frase inteira:

se quiseres sobe a escada mas depois

te quero embora!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 280 vezesFale com o autor