Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
119 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57014 )
Cartas ( 21168)
Contos (12608)
Cordel (10073)
Crônicas (22188)
Discursos (3134)
Ensaios - (8996)
Erótico (13393)
Frases (43608)
Humor (18447)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2676)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138217)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Incômoda -- 18/03/2010 - 20:50 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
INCÔMODA



Porque não valho tudo

ou quase nada

e sei deixar-me

assim : jogada.



Sei assustar

esse teu lado sensato

somente dizendo:

vou

te

ver.



Vou te encontrar na esquina

bem de repente

porque existe o avião...



E então te imagino correndo

pedindo socorro a uma amiga

que por via das dúvidas

faria seu papel.



Porque enquanto você

ame o que escrevo

seguro estás.



Mas se de repente

as poesias

arregaçassem as mangas

e fizessem pó da distância

e resolvessem chegar

(não pra ficar contigo,

querer,

amar,

dizer :

somente pra te ver)



você morreria de medo

de que a magia se fosse

ou que a mulher com quem dormes

descobrisse que existo.

(em carne e quem sabe, osso;

até o pescoço!)



E assim, eu relaxada

desajeitada

alegre e jogada...

(você não sabe)

seria capaz (muito capaz)

de não fazer nada.



Porque é preciso aprender

a deter furacões

a relevar os incêndios

e a se firmar com os ventos.



E voltaria surrealista

e escreveria poesias

porque pisei outro chão

e me encantei

só de longe



com tua esquina.



Cristina

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 182 vezesFale com o autor