Usina de Letras
Usina de Letras
26 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Divulgando... -- 03/11/2005 - 01:29 (Alkiria Xavier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




Em busca do tempo perdido


É muito difícil para as pessoas, diria quase insuportável admitir que estavam erradas, que as suas crenças foram equivocadas, que a confiança que depositaram em algo ou em alguém foi decaída, que os seus movimentos foram tortos, que os seus investimentos de tempo e emocional nas causas em que acreditavam na verdade as levaram para uma rua sem saída, que navegaram em barcas furadas e hoje são naufragas numa ilha deserta.

Quando o papo é reto e não temos para onde fugir ou argumentar acabamos sempre colocando a culpa nos outros, querer defender o indefensável revela nos bastidores desse pensamento uma ànsia de negar o próprio fracasso, da terrível incompetência de lhe dar com os próprios erros, da inaptidão de pensar sobre si mesmo, da incapacidade de fazer uma autocrítica eficaz ...isso é a confirmação de que votou mal , que escolheu errado e que pensou equivocadamente sobre o que julgava ser certo.

Morremos para o falso para renascer no verdadeiro , o manto da mentira cobre a nudez da verdade e esta estando nua muitos tem vergonha de olhar ou mostrá-la, talvez por achá-la pornográfica demais.

Vivemos sempre na espera , no treino , no ensaio de acontecimentos( o presente que sempre foge, ou é passado ou é futuro) e por outro lado estamos sempre em busca do tempo que julgamos ter perdido, correndo atrás das miragens no deserto...não há nunca tempo perdido.

Meus vagos aforismos estão sempre versando sobre a falta de sensibilidade do ser humano, não há nada mais assustador do que a ignorància, a mediocridade e a falta de sensibilidade, nem a perspectiva de que posso morrer a qualquer instante, nem a constatação que na vida a gente erra muito mais do que acerta e nem a certeza de que quase ninguém se importa com as coisas que eu me importo

No mais estou indo embora....

Andre Luis Aquino

http://andre.aquino12.blog.uol.com.br/





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui