Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57090 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10090)
Crônicas (22209)
Discursos (3136)
Ensaios - (9013)
Erótico (13401)
Frases (43731)
Humor (18475)
Infantil (3786)
Infanto Juvenil (2710)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138298)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4882)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Foto e grafia -- 31/01/2010 - 22:21 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Foto e grafia



Às vezes cansa minha janela

por ter as luzes de toda noite

e nenhum deboche,

e fica muda

quando a cutuco

para ver algo

que fuja aos ritos

normais apitos

da burguesia.



Às vezes canso quando sem ela

converso pouco e escuto muito

também me cansa se falo muito

se não a tenho, se não

a abro.



Preciso disso : de espaço morto.



De espaço morto de comentários

prefiro escuros e sons de carros

quando ela deixa

e enfim eu abro.



Destilo o dia com suas foices

e visto os olhos e fico fria:

janela muda

foto e grafia.

Não tenho lagos cheios de patos :

minha janela

é curta e fria.



Por isso sabe do meu cansaço:

do cruel barulho de vozes tolas

e dos absurdos quentes humanos.



Então retorno e a faço minha:

come meus olhos, janela viva!









Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 195 vezesFale com o autor