Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57545 )
Cartas ( 21185)
Contos (12635)
Cordel (10186)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44321)
Humor (18630)
Infantil (3914)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138271)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4993)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Não há de ser nada -- 19/09/2009 - 19:53 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Não há de ser nada.



Teu vôo é sutil e agarra

com boca de fruta e alma.



Não sei se te dar os braços,

as pernas

ou não te dar nada...

Também a distância é tosca

e cruza, interpõe e rouba.

Mas vai: não há de ser nada.



Se pensas nas madrugadas

- e invades em carne e osso-

te dou as melhores horas

e levas também a boca.



O resto -querido- é resto

que nunca imporá respeito.

Lugar que é lugar é feito

assim : no meio do peito!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui