Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61958 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3235)

Ensaios - (10261)

Erótico (13560)

Frases (50368)

Humor (19994)

Infantil (5390)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Cronologia dos bondes -- 09/12/2002 - 15:44 (Ana Maria de Souza Mello) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A primeira experiência de transporte coletivo em Porto Alegre foi em 1865 com a Maxambomba, um bonde de madeira que circulava sobre trilhos e ligava o centro da cidade ao Arraial do Menino Deus. Essa foi a primeira linha a operar no Rio Grande do Sul e a segunda no país.



Em 1872, a empresa que administrava as Maxambombas foi comprada por Manoel de Miranda e Castro recebendo o nome de Companhia Carris de Ferro Porto-Alegrense. Carris era uma expressão utilizada no começo do século para denominar os trilhos da malha viária.



Em 4 de janeiro de 1873, o primeiro bonde puxado por burros, importado da Stephenson de Nova Iorque, passou pela capital dos gaúchos e na sua inauguração foi puxado por uma parelha de cavalos brancos.



Em 1895 foi inaugurada a usina termoelétrica da Companhia Fiat Lux e em 1908 entra em funcionamento o primeiro veículo elétrico da capital que atendia a linha Menino Deus. Os primeiros veículos importados da Inglaterra possuíam quatro rodas e foram apelidados de Gaiola , devido ao seu barulho e instabilidade sobre os trilhos.



Assim a história dos bondes foi passando até sua última viagem em 8 de março de 1970.



Mas o romantismo de uma época em que a vida passava mais devagar, ficou gravado nas histórias de quem viveu ou se apaixonou, escutando suas memórias. Algumas dessas histórias estão no livro Relatos da História e outras Memórias da Companhia Carris Porto-Alegrense.



Quanto aos apaixonados pelos bondes, criaram a Associação Cultural Amigos do Bonde que além de desenvolver projetos vinculados a memória do transporte coletivo urbano de Porto Alegre acredita: os bondes podem voltar.



Publicada em http://www.sortimentos.com/especiais-bondes_porto_alegre.htm



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui