Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
141 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57014 )
Cartas ( 21168)
Contos (12608)
Cordel (10074)
Crônicas (22188)
Discursos (3134)
Ensaios - (8996)
Erótico (13393)
Frases (43608)
Humor (18448)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2676)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138217)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->UM SAPO DIFERENTE -- 28/02/2008 - 23:45 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


UM SAPO DIFERENTE
(Por Germano Correia da Silva)

Era uma vez um sapo-cururu que tinha o hábito de nadar pouco, pular esporadicamente e coaxar de vez em quando; tudo isso ele sempre o fazia de uma maneira bem discreta, moderadamente, tentando, desta forma, não perturbar a paz dos demais sapos ali existentes.

A sua habitual discrição enquanto participava das festas e saraus promovidos pelos amigos e camaradas do seu convívio social aliada à sua abstinência a todo tipo de bebidas fizeram com que ele ficasse conhecido nas cercanias dos riachos, lagoas e charcos de sua região como um sapo antissocial. Por vezes, ele também foi chamado de sapo-concho devido aos seus reflexos lentos no modo de andar, de pular e de coaxar.

Os demais sapos da região acostumados com a rotina social usavam e abusavam da ingestão de bebidas, sendo que raramente o faziam com a comida. Frequentemente viviam de fuxicos e mexericos envolvendo a vida dos sapos-cururus, geralmente fazendo alusões jocosas acerca das suas diferentes maneiras de viver. Eles entendiam que todo sapo que se preza tinha de gostar de beber socialmente, tagarelar o suficiente para chamar a atenção dos demais e coaxar o tempo todo, principalmente nos dias e noites chuvosos.

Não se sabe ao certo quantas vezes outros sapos, sobretudo os mais assíduos freqüentadores da Anfibiolândia, um clube social onde ainda hoje se diverte a maioria dos sapos catalogados pela entidade controladora da espécie, caçoaram dos sapos-cururus e tiveram de ser responsabilizados pelos seus excessos. Algumas vezes esses sapos foram apanhados de surpresa pelos excessos no beber e no comer. Raramente compareciam a outros eventos do clube, sobretudo nos dias de ensaios coletivos visando ao aperfeiçoamento dos seus coaxos.

O sapo-cururu era realmente um sapo diferente dos demais, uma vez que não fazia uso de nenhum tipo de bebida, nem mesmo socialmente. Raramente freqüentava o clube social de sua espécie e quando o fazia era apenas para degustar as iguarias ali existentes e se divertir com os amigos e amigas de sua turma. Nada de ingestão de bebida por conta da casa e nem de comida além da conta. Mas há um dito popular que nos ensina que “água mole em pedra dura tanto bate até que fura” e com o sapo-cururu não foi diferente.

Certa vez, induzido que o fora por uma de suas amigas mais íntimas, ele achou que poderia impressioná-la no tocante à sua capacidade de “estocar” alimentos no seu depósito estomacal e, assim, ele decidiu usar e abusar da comida e até um pouco da bebida. Talvez, pensando em se enturmar socialmente, ele comeu em demasia e bebeu uma média de cinco taças de vinho branco, com isso a barriga dele encheu demais e de tão cheia tinha todas as características de uma pança de sapo-boi.

Ele mal conseguia andar e de tão empanturrado que se encontrava, ou seja, devido ao excesso de alimento e de bebida ingeridos tentando se acomodar no seu diminuto espaço estomacal, ele torcia desesperadamente pela aparição de um galho de boldo e, decerto, a infusão de algumas de suas folhas iria ajudar sobremaneira na desopilação de seu fígado. Todavia, tratava-se de puro engano, de uma esperança vã. Ali, naquele lugar, uma área reservada para o encontro e para o aconchego dos amigos do prato e simpatizantes do copo, o ideal seria que houvesse, realmente, algum tipo de plantas com essas propriedades.

Infelizmente, aquele não era um dia de sorte para o sapo-cururu. Ele teve de amargar o dissabor daquele fim de noite malfadado, causado por aquela inesperada indigestão e pelo vexame social que tivera de passar perante os olhares curiosos dos seus amigos e conhecidos.

Alguns desses seus amigos nem quiseram testemunhar aquela cena degradante, principalmente aqueles que “tinham o rei na barriga”. Para essa camada social, com certeza, os jornais locais o fariam, em forma de manchetes, no dia seguinte.

Fim de festa e, finalmente, o sapo-cururu fora levado nos braços por outros sapos para sua lagoa. Ali ele iria repousar um pouco e, com certeza, tentaria curar a sua primeira ressaca entre amigos.

Os fuxicos e intrigas alusivos àquele evento social se intensificaram por muitas semanas e em razão daquele desvio de conduta ele teve de ficar “engolindo sapos” por muito tempo...

- Bem feito, quem mandou ele não saber comer e nem beber socialmente e com moderação - comentavam.
..


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 15Exibido 1782 vezesFale com o autor