Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
170 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58124 )
Cartas ( 21211)
Contos (12849)
Cordel (10239)
Crônicas (22076)
Discursos (3148)
Ensaios - (9223)
Erótico (13451)
Frases (45264)
Humor (18933)
Infantil (4151)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138691)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5246)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Desastre -- 05/06/2009 - 23:36 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


DESASTRE



Atiram-se esperanças

dos terraços

deixando um ar de sangue

e de cansaço.

Atiro meus pedaços sem volume

que tiro da cabeça com perfume

(eu sei que penso coisas

faço ajustes

e volto como um gnomo

a ter visões:

por que haverias tu de ter vontades

ligadas ao meu peito sem virtudes?)

Mas elas (as que esperam sempre abertas)

são veias que detenho quase em transe,

e peço que me façam muito velha

viver com as paixões que me abraçam!

Desastre: perceber que não te tenho

por mais que sonhe alto

e me enfeitices!







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 2Exibido 323 vezesFale com o autor