Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59127 )

Cartas ( 21236)

Contos (13112)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46510)

Humor (19279)

Infantil (4457)

Infanto Juvenil (3725)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138227)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5523)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->*A FOME DE SEU JOSÉ* -- 19/05/2008 - 14:14 (Sonia Nogueira - *sogueira*) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

*A Fome de seu José*

No Sertão nordestino é assim, ou há escassez de chuva ou chove em abundância, com fartura de legumes, frutas, hortaliças... Mas, a base da alimentação é feijão, farinha de mandioca, batata doce e melancia.

Aliás, alimento de alto valor nutritivo. Um prato bem reforçado de feijão, com manteiga da terra, farinha d’água ou do Pará, aquela caroçuda, amarelada e amassado com a mão fazendo bolinho, um pedaço de carne assada na brasa e de sobremesa rapadura ou melancia, é a satisfação do sertanejo.

Só que seu José não gostava de feijão e dizia: Morro de fome, mas este troço ruim não entra na minha boca.
A seca chegou, a chuva não veio e a miséria assolou a população. Aterra secou, animais morreram de fome e sede, via-se apenas uma tela pintada com a mesma cor amarelada da vegetação rala e ressequida. Muitas pessoas se deslocaram para a cidade grande e formaram as favelas.

Os que ficaram resistindo e esperando o milagre da chuva passaram momentos de desespero. Seu José não pretendia sair do seu sertão. Começou a vagar pelas terras, lastimando a dureza do solo rachado, o sol escaldante e a lágrima rolando na face desfigurada.

Estava faminto, cansado, com sede. Encontrou uma residência.
-Alô, tem alguém?
-Pois não, senhor.
- Estou com muita fome, senhora, por favor, me arranje qualquer alimento. Farinha com rapadura são de grande valia.
- Só tenho feijão, senhor, cozinhando na água sem sal, pois até este acabou. E ainda estou regrando para não acabar logo.

- Feijão? Traga-me um pouquinho...
Seu José saboreou o odiado feijão com tanto gosto que no final agradeceu.
- Deus lhe pague, senhora nunca na minha vida comi um alimento tão gostoso como este, a fome é que traz à boca o sabor. Pode me trazer mais um pouco?


Sogueira
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui