Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
155 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58131 )
Cartas ( 21211)
Contos (12856)
Cordel (10239)
Crônicas (22079)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13451)
Frases (45272)
Humor (18933)
Infantil (4151)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138693)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->E OS PAPAIS-NOÉIS NÃO VÊM PARA TODOS... -- 04/12/2007 - 14:41 (getulio silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
E OS PAPAIS-NOÉIS NÃO VÊM PARA TODOS...



Conta-se que um menino todos os anos mandava uma carta para o papai-noel pedindo um presente de natal. Eram angustiantes os minutos que antecediam a meia noite da tão esperada data natalina. O garoto contava a todos, o seu humilde pedido, uma bola de futebol ou um carrinho de corridas tipo do Airton Senna e ainda dizia: Esse ano, se Deus quiser ganharei meu presente! Eram brinquedos baratos em comparação aos eletrônicos que a gente se vê por aí, nas vitrines luxuosas das lojas. Mas parecia que Deus não estava ouvindo as preces do garoto, pois todos os anos a mesma rotina, ou seja, a mesma aflição, à espera do tão sonhado presente. Ele tomava banho mais cedo e tamanha era a ansiedade que nem jantava, ia e voltava à janela, na expectativa de ver o bom velhinho de barbas brancas chegar sorrateiramente para cumprir o seu pedido. Cansado da espera, e com as pernas doídas dos vai-e-vens pela casa, o garoto ia dormir, ainda, com um fio de esperança que no outro dia, encontraria debaixo de sua cama o tão esperado presente.
Ao acordar, era outra decepção, e o papai-noel não viera novamente... A parte mais difícil da história ficara sempre, por conta de sua mãe, nas justificativas: Filho, o papai-noel não achara o nosso endereço ou este ano ele não tivera dinheiro para comprar o seu presente! Não perca as esperanças, um dia ele virá... E o menino triste passava aquele dia vendo as crianças da vizinhança brincando, correndo, sorrindo... E ele chorando, pois não conseguira entender que o seu pai estava desempregado há anos, e então, não poderia comprar lhe um presente. Acreditara nos contos de papai-noel e nos devaneios de criança, e não vira a realidade cruel do desemprego do pai. Angustiado, e se sentindo culpado daquela situação, o pai, contara ao filho que papai-noel nunca existiu e quem comprava os presentes das crianças eram os pais, assim, ele só ganharia um presente quando o pai arrumasse um emprego. Diante da narrativa do pai, o menino enxugara as lágrimas e disse: Vou escrever uma carta ao Papai-Noel pedindo um trabalho para o senhor e no próximo Natal terei o meu presente tão sonhado! Essa é a história de muitos natais, aonde os papais-noéis não vêm para todos!


Getúlio Silva 04/12/2007

Dedico este Conto
A minha amiga e Poéta: Rose de Castro
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui