Usina de Letras
Usina de Letras
119 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62161 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10449)

Cronicas (22530)

Discursos (3238)

Ensaios - (10347)

Erótico (13567)

Frases (50573)

Humor (20027)

Infantil (5422)

Infanto Juvenil (4752)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140790)

Redação (3302)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1959)

Textos Religiosos/Sermões (6182)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->A fagulha de toda a esperança -- 15/03/2001 - 23:44 (Zilton Fioravante Salgado) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Porque naquele tempo as coisas não eram coisas, mas sim desejos.
Ele vivia recluso, pensava eu. A sua inclusão o levava a se perder no mais profundo, mais ingreme abismo do ser - ou será do seus desejos?.
Todos os instantes luzes permeavam as janelas do seu quarto, fazendo com que efemeros espasmos tornassem incontroláveis a emersão de imagens estranhas e distorcidas do mais obscuro do seu intelecto.
Estava louco, eu diria. Pois mesmo o mundo o olhava de forma despresível. Disconfiavam dele, o negavam. Até mesmo desviavam do caminho que por ele foi percorrido um dia. Mesmo porque, não o podem ver nos dias de hoje, pois não mais pertence ao sórdido lugar que habitamos.
Desprendeu-se, transcendeu a tudo aquilo no que acreditava. Afirmou que nada mais era real, nada mais existia. As relações entre nós, de nada mais valiam. Dizia ele, "Vivem pseudo-relações, infames encontros vazíos. Não sabem porque amam, nem ao menos se amam, ou se em verdade odeiam e mascaram, fazendo com que os outros creiam na falsidade e a tomem como a mais pura verdade."
Foi embora, mas não daqui. Permance escondido, banido dos círculos daqules que vivem como nós. Imergiu em tudo o que não é dito. Desvenda hoje todos os desejos mais recalcados do seu próprio ser. Muitas vezes se espanta com as maravilhas soturnas que explodem das sombras daquilo que ele era.
Mas hoje ele é real. E vaga por todos os caminhos, que ainda não foram pisados, mas sempre às margens daquilo que somos. Apenas espera para poder lançar sobre o mundo sua maravilha real. Seu verdadeiro sentimento. "Pois tudo é real, tudo é confiança. Basta olhar para o menor ponto de vida dentro de vocês e vão ver, pois, que lá há a maior fagulha de toda a esperança, aquela que atará todos os laços de afeição do mundo.",dizia ele.
Assim ele viveu e surpreendeu a todos. Pois mesmo nunca tendo existido como pessoa ele povoa a todos nós. E assim será, porque assim ele descobriu a si mesmo. E nos fará viver. Pois não há ódio, mas sim a ausência de ser.
* Zilton Fioravante Salgado (15/03)
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui