Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
47 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46534)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3733)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->O cara do bloco B -- 23/09/2007 - 15:56 (Ulisses de Abreu) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Andava sozinho pelas ruas de Belo horizonte. As ruas estavam totalmente desertas. Parecia caminhar por entre um enorme cemitério de edifícios, era um silencio incomum a uma cidade grande. No entanto, passava das dez horas da noite, e era de se esperar que com o aumento desenfreado da violência e da criminalidade em nossa cidade, as pessoas cada vez mais evitassem saírem à noite. Contudo, todas as justificativas iam à medida que eu caminhava, desfazendo-se aos poucos. – Estou subindo a Rua da Bahia, desde a Avenida Afonso Pena e já cruzei varias ruas sem que ao menos um ser humano passasse por mim, nada alem das avenidas desabitadas cruzou o meu caminho ate agora, nem sequer um automóvel passou por mim. Onde será que se meteu aquela gente toda? Talvez o trânsito aqui no centro da cidade tivesse por algum motivo extremo sido interrompido, mas, será que eu fui o único que não se informou a respeito disso?
Caminhei mais um pouco e chegando a um barzinho, na esquina da Bahia com São Paulo, maior ainda seria o meu espanto! Havia uma musica tocando, o som vinha de duas caixas acústicas pregadas em cada uma das paredes laterais de um velho bar, era uma musica clássica, Vivaldi, concerto opôs 3/8. - Apesar de não gostar muito de musicas clássicas, essa eu já tinha ouvido varias vezes... É que meu irmão na época em que morávamos no interior de minas, simplesmente, adorava musica clássica, e Vivaldi era um dos seus preferidos, todavia, claro que Mozart, Chopin, Bach e muitos outros também faziam parte da sua coleção de boas musicas, assim como ele mesmo orgulhosamente gostava de chamá-las. Mas deixemos meu irmão de lado que dos que já se foram com certeza essa não é a melhor ora para se falar. Pude notar também que a porta do freezer estava aberta e, que do alto de uma das prateleiras, um líquido vermelho e espesso escorria de uma garrafa que estava tombada e, vinha descendo de prateleira em prateleira ate dá no chão, exatamente, em frente a uma porta que estava trancada e que de certo daria acesso ao interior do bar. Havia também uma maquina registradora dessas do tipo PDV, e como estava aberta pude ver que certa quantia em dinheiro ainda estava no caixa. E isso me chamou a atenção. Porque alguém largaria um bar sozinho? E ainda iria embora tão rápido, tão desesperadamente que se quer se lembrou de recolher o dinheiro do caixa? Essa pergunta e tantas outras passaram pela minha cabeça como se varias pessoas ao mesmo tempo as fizessem. E pela primeira vez naquela noite eu tive medo.
Sai do bar e segui em direção a praça da liberdade. Fui logo avistando todas aquelas belíssimas palmeiras imperiais, o chafariz e o coreto, direcionei meus olhos para o palácio do governo onde dava como certa a presença de uma sentinela; mas novamente aquele vazio, não havia ninguém, nem ali, nem por onde eu havia passado e muito menos em qualquer canto daquela praça. Uma estranha sensação de que algo muito ruim estava acontecendo, percorreu o meu corpo e gelou a minha alma. Sentado, num banco da praça, embasbacado, olhando o vazio, o silencio que se estendia pelos quatro cantos daquela fantasmagórica praça, eu, me senti totalmente perdido e, por um segundo pensei em voltar ate aquele barzinho só pra ouvir novamente aquela musica clássica... No entanto, dentro de mim, na parte obscura e confusa do nosso cérebro em que a mente age por si mesma, totalmente alheia a nossa vontade, uma voz me dizia:- se acalma Miguel! Não é agindo assim que você vai conseguir entender o que esta acontecendo, procure se lembra de como tudo começou? Por um instante, pensei ter ouvido um assovio, um apito ou um pássaro talvez, mas há essa hora, estava mais para morcegos. Decidi não mais ficar ali, aquele silencio e todos os pensamentos, estavam me deixando ainda mais confuso. Voltei para o meu apartamento, lá pelo menos o vazio e o silencio eram-me familiar.
De volta ao meu apartamento, liguei a televisão, chuviscos apenas, em todas as emissoras apenas chuviscos, tentei então sintonizar uma FM e nada, nada alem de ruídos. Peguei o telefone e estava mudo, então fui ate a janela e gritei! Gritei bem alto, socorro! E os meus gritos ecoaram e se perderam no vazio negro e frio que separava o bloco A do bloco B, sem que ninguém me ouvisse. Nem o sacana do sindico meu vizinho de frente ouviu-me. Por Deus, eu juro como eu desejei naquele momento que aquele velho idiota tivesse aparecido, nem que fosse só pra me mandar calar a boca... Mas o maldito não estava lá, nem ele e nem ninguém, os prédios estavam vazios, nenhum porteiro, nenhum barulho de elevador, nada! Nem uma viva alma pra me dizer um oi que fosse. Coloquei um CD da Janis Joplin pra tocar, era preciso quebrar o silencio, pelo menos o silencio exterior, já que dentro de mim a discussão ia longe. Mas, onde, onde se meteu aquela gente? Cadê o cara do 705, ele nunca se atrasa, trabalha todos os domingos de segurança no hospital das clinicas, e sem se atrasar sequer um minuto as onze horas em ponto, fazia o prédio inteiro ouvir seu pigarro nojento. Nem a Carol, aquela putinha do 905; ela sempre chegava da balada completamente bêbada e há essa hora já estaria estirada na cama, suja, nua, e com as janelas e as pernas abertas, mostrando pra quem quisesse ver aquela coisa podre e fácil que ela trazia entre as pernas. Maldição! Só pode ser coisa do alem, vai ver é isso, eu morri, estou morto! E aqui no mundo dos mortos, cada um tem sua cidade. - É... Mas, uma cidade para cada um, que exagero! Prefiro acreditar que estou sonhando, isso...! Isso mesmo... Estou sonhando e nada disso é real, não demoro eu acordo e tudo voltará ao normal.
Lá fora, todas as luzes estavam acesas, a cidade inteira iluminada. Da minha janela dava pra ver o viaduto Santa Teresa todo iluminado, entretanto, nenhum carro o atravessa. Ao fundo, no limite onde os meus olhos assombrados e umedecidos alçavam, uma neblina densa e branca se formava. Voltei para a sala e então pensei na possibilidade de estar só não somente na cidade, como também no mundo. Fiquei perplexo, meus olhos encheram-se de lagrimas e a minha voz desceu pela garganta como um bêbado desce uma escada. Eu não encontrava um único motivo, algo que me fizesse entender essa loucura na qual agora eu habitava. Deitei no chão da sala, estiquei meu corpo tremulo e olhando fixamente para o teto paralisei! E meu mundo, como em um daqueles globos enormes que agente vê nessas pistas de dança, começou a girar e a refletir fragmentos da minha vida por toda parte. Quando foi que eu me perdi? De certo por algum motivo sobrenatural vim parar aqui nesse mundo, que não sei dizer o que é. Mas sei que o vazio em que me encontro, veio num daqueles bondes que de tempos em tempos partem de nossas almas com destino incerto. Cavamos um abismo por dia vivendo essa vida louca, esse frenesi das cidades grandes; e eu me encontro agora na minha mais egoísta existência... Levantei e voltei à janela, lá fora tudo era só silencio, e nada se movia alem das folhas impulsionadas pelo vento. Nem ao menos um cão - mesmo não gostando de cães eu queria ouvir pelo menos um inexpressivo latido de um cachorro vira-latas. Já não sabia o que fazer; andei pela casa como um lobo enjaulado. Abri a geladeira, bebi tudo que encontrei pela frente, menos água e leite, mas, não bebi o suficiente. Um homem se perde muitas vezes na vida, e em grande parte se perde por motivos banais. Eu, sou um retrato vivo da inconseqüência humana, travei batalhas inúteis e sem nenhum propósito honesto ou que não fosse totalmente pessoal. E muitas vezes, criei essas guerras estúpidas dentro das casas onde fui filho, irmão, amigo, namorado, amante ou somente um visitante. Sabia de cor o nome de cada uma daquelas pessoas, só não sabia o quanto era importante saber seus nomes e ser chamado por elas pelo nome. Aqui onde eu moro, nesse prédio onde o silencio e a incerteza agora imperam, sou somente o cara do bloco B, e não me lembro a ultima vez em que fui chamado pelo nome ou na qual chamei alguém pelo nome. Todavia, nunca me senti um homem triste, ou depressivo, muito pelo contrario, cavei a golpes largos esse buraco cinza e solitário em que me encontro agora. E mesmo que não seja a melhor forma de um ser humano viver, é a única que se desenha a frente do homem que vive nas grandes metrópoles.
De repente, um vulto negro e pequeno eu vi passar por entre os livros na estante, não me contive fui ver logo o que era. Uma barata! Uma horripilante e asquerosa barata. Pensei: vou matar! No entanto, não matei. Que tolice a minha, achar que poderia me dar a insensatez de matar, sim porque a essa altura, isso seria mesmo uma tremenda de uma idiotice. Éramos apenas eu e aquela barata naquela sala e quem sabe se não éramos somente os dois naquela cidade. Entretanto, eu sabia seu nome, sabia que se chamava barata, e que todos a chamavam assim. Poder chamá-la pelo nome me deu certo conforto. Permaneci ali, inerte, olhando aquele bicho nojento, que, pelo pouco movimento que fazia, parecia tranqüilo. E assim, como um homem a beira da loucura, a beira de um abismo, que de minuto em minuto se surpreendia conversando em pensamento com uma barata. Adormeci.
Quando o relógio despertou, saltei da cama num movimento automático e lento. Fui ao banheiro, mijei, lavei o rosto, escovei os dentes e me disse qualquer coisa do tipo: “cara que noite”. Depois me vesti apressado, tomei um café requentado, tranquei a porta e peguei o elevador.

_É só o cara do bloco B, sussurrou o porteiro no ouvido de uma moça clara, de seios fartos e cabelos compridos lisos a me ver passando apressado, acenei com as mãos e com a pressa de chegar logo ao trabalho mal notei que a cidade estava novamente habitada...







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui