Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46535)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3733)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A fábrica de Destinos (mini conto) -- 21/09/2007 - 17:08 (Ulisses de Abreu) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Agora pouco um menino que por aqui passava me perguntou:
_Moço! O senhor sabe onde fica a fábrica?
_Que fábrica, menino?
_ A fábrica onde se fabricam destinos?
Então me pus a pensar... “Fábrica que fabrica destinos...”
Sem chegar a nenhuma conclusão lógica, respondi:
_Sinto muito garoto, mas nunca ouvi falar nessa tal fábrica.
Nessa hora percebi um sorrisinho maroto e fugaz no rosto daquele menino. Entretanto, antes que eu o reprimisse ele foi logo soltando a voz.
_Não era de admirar que o senhor não soubesse onde fica a fábrica que fabrica destinos, pelo jeito importante com que o senhor se veste e fala, num deve saber nem como a vida acaba.
_Oh, garoto! Mais respeito viu! Eu poderia ser seu pai!
_Poderia não, o senhor é o meu pai.
_ O que foi garoto... Ficou louco é?
_Ainda não!
_De onde você tirou essa historia de pai?
_Do mesmo lugar de onde eu tirei a história da fábrica, uai...
Em seguida, o menino retirou de dentro das calças uma faca enorme e com um olhar que não se parecia em nada com um olhar de menino, foi mandando:
_Anda, pai! Passa pra cá a mesada! Anda... Ou vai querer que eu lhe mostre como é que a vida acaba?
Entreguei a carteira, o relógio, o celular e uma pulseira de ouro bem fininha que eu usava em volto do pescoço.
Ainda perplexo com a calma e a ousadia daquele menino, fiquei observando imóvel, enquanto ele corria e de distância em distância gritava:
_Tchau Pai!...Tchau palhaço!


leia esse e varios outros textos com imagem e música de fundo no meu site www.ulissesdeabreu.com
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui