Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
31 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57058 )
Cartas ( 21170)
Contos (12599)
Cordel (10080)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9003)
Erótico (13395)
Frases (43650)
Humor (18457)
Infantil (3773)
Infanto Juvenil (2689)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138245)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4855)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Xadrez -- 13/07/2008 - 18:37 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Xadrez



Longe eu; de ser rainha.

Meus sentimentos de torre

impedem que desmorone

e deslizando na reta

protejo o que ainda existe...



Eu poderia de leve

comer os quadros e as linhas

e me guardar como um bispo

sem procurar as saídas.

Mas uma urgência me habita...



É porque o nosso levastes

por diagonal com guindaste;

como cavalo que foge

desesperado e sem norte.

Meus sentimentos? Peões!



No tabuleiro da vida

me refugiei do teu xeque

antes matasse -teu reino-

a minha terra com flores!

Quem sabe assim, recuasse...



Vitória? Não acredito que cantes.

Até porque nosso jogo

não pretendeu quem ganhasse...

Já sei que es doce...não matas.

Porém saqueastes...(peões..!)



Meu rei que dorme no peito

quer uma paz que não grite:

vai extirpar estas dores

(acreditar que não existes...)

Um xeque mate – sem ritos!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 304 vezesFale com o autor