Usina de Letras
Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
224 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58847 )
Cartas ( 21227)
Contos (13050)
Cordel (10266)
Crônicas (22175)
Discursos (3163)
Ensaios - (9369)
Erótico (13475)
Frases (46092)
Humor (19167)
Infantil (4365)
Infanto Juvenil (3567)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1332)
Poesias (137991)
Redação (3039)
Roteiro de Filme ou Novela (1060)
Teses / Monologos (2425)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5438)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->SÚDITO DE UM POVO? -- 01/02/2021 - 15:03 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

SÚDITO DE UM POVO?

 

Sou a carência de clareza

Daquilo que, às vezes, falo

Nunca emprego a sutileza

Bem como nunca me calo

 

Estou sempre a divergir

Dos meus colaboradores

E em vez de eu convergir

Instilo alguns dissabores

 

Quero ser o ponto alto

De toda a constelação

E quando há sobressalto

Atropelo a ponderação

 

Já dei minhas caneladas

Nos lugares onde passei

Hoje dou muitas risadas

Do que acham que eu sei

 

Eu sou do jeito que sou

Tosco, rude ou falastrão

Nunca relato aonde vou

Mas sigo a minha legião

 

Não preciso de holofotes

Só se forem a meu favor

Mas fico atento aos coiotes

Que tentam causar pavor

 

Ontem eu usava bodoque

Hoje o usam contra mim

Ainda que seja a reboque

Pretendo ficar até o fim

 

Quiçá, eu mude esse jeito

De tratar os meus rivais

Sei que não sou perfeito

Muito menos algo a mais

 

Perdoem-me pela franqueza

Mas sempre fui desse jeito

Mesmo com toda a rudeza

Sinto-me um homem perfeito

 

Agradeço a quem me elegeu

Para essa tarefa indigesta

E já que este “cara” sou eu

Sinto-me o dono da festa

 

Querem me sacar na marra

Mas isso eu não vou deixar

Já que estou dentro da farra

Eu não posso me desleixar

 

Gosto muito do que eu faço

Mas nem todos o veem assim

E só causo algum embaraço

Quando tentam pisar em mim

 

Sou esse “cara” resiliente

Que não gosta de se dobrar

Mas se eu fosse “diferente”

Muitos estariam a me cobrar

 

Resta-me um biênio no poder

Se não houver impedimento

Contudo, o que tiver de ser

Que venha sem sofrimento

 

O povo não me elegeu a esmo

E nem deve estar arrependido

Eu continuo sendo eu mesmo

Inda que esteja meio perdido

 

Sinto-me súdito deste povo

Que outrora votou em mim

E se vier a confiar de novo

Eu lutarei por ele até o fim

Comentários

Giovana Maria Batista da Silva  - 02/02/2021

Muito bom!!!👏👏👏👏

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 134 vezesFale com o autor